UOL Notícias Notícias
 

15/06/2010 - 18h36

Coreia do Norte ameaça declarar guerra se for punida por navio afundado

A Coreia do Norte afirmou nesta terça-feira que pode declarar guerra se o Conselho de Segurança da ONU condenar o país ou anunciar alguma represália contra Pyongyang pelo afundamento em março do navio de guerra sul-coreano Cheonan.

Os comentários foram feitos pelo embaixador norte-coreano na ONU, Sin Son-ho, em uma rara entrevista coletiva na sede da organização.

"Nós não queremos que o Conselho de Segurança anuncie medidas que nos provoquem", disse Sin.

"Há uma situação incerta, na qual uma guerra pode começar a qualquer momento (...) na península coreana, devido às imprudentes manobras militares da Coreia do Sul", afirmou, acrescentando que o povo norte-coreano e o Exército do país "vão estraçalhar" seus "agressores".

A Coreia do Sul pediu ao Conselho de Segurança que respondesse ao que afirma ser um ataque com torpedo da Coreia do Norte, contra o Cheonan, e apresentou um relatório baseado em investigações internacionais sobre o afundamento como prova do ataque.

No entanto, de acordo com a correspondente da BBC na sede da ONU em Nova York Barbara Plett, o embaixador Sin Son-ho afirmou que, se a ONU divulgar alguma declaração condenando ou questionando seu país, as forças militares norte-coreanas vão reagir.

O embaixador não especificou quem ou o quê foi o responsável pela explosão que afundou o navio Cheonan, mas indicou que acredita que o navio, cujo afundamento matou 46 marinheiros sul-coreanos, tenha naufragado depois de colidir com rochas.

Sin afirmou, no entanto, que a Coreia do Sul se beneficiou politicamente ao culpar os norte-coreanos e acrescentou que os Estados Unidos usaram o incidente para fortalecer sua influência na região.

Até o momento, o Conselho de Segurança apenas afirmou estar muito preocupado com o fato de o afundamento do navio poder colocar em risco a paz na península coreana e pediu aos dois lados que evitem provocações. No entanto, o conselho ainda não condenou nenhum país devido ao incidente.

Investigação Sin rejeitou os resultados da investigação internacional, que concluiu que a culpa pelo afundamento é dos norte-coreanos, e exigiu que seu país obtenha a permissão de enviar sua própria equipe de investigação para o local do afundamento.

Barbara Plett disse que Sin Son-ho leu uma longa declaração em que detalhou supostas falhas na investigação.

Sin afirmou que o governo da Coreia do Sul recusou um pedido da Coreia do Norte, de conduzir sua própria investigação, e o embaixador exigiu várias vezes que o governo norte-coreano tivesse este direito.

Segundo Plett, se a Coreia do Norte não pudesse fazer sua própria investigação do incidente, o debate no Conselho de Segurança teria apenas um lado representado.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h39

    0,04
    3,174
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h47

    -0,21
    64.725,84
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host