UOL Notícias Notícias
 

29/06/2010 - 06h23

Irmãos suspeitos de ajudar advogado que planejou a própria morte são presos na Guatemala

Dois irmãos suspeitos de ter ajudado um proeminente advogado que organizou a própria morte - com o objetivo de incriminar o presidente do país - se entregaram à polícia na Guatemala.

Francisco e Jose Valdes Paiz, que estavam foragidos há meses, são acusados de ter contratado um assassino de aluguel para matar o advogado, Rodrigo Rosenberg.

Em janeiro passado, uma comissão internacional de investigação concluiu que Rosenberg havia organizado o próprio assassinato com a intenção de chamar a atenção para o alto número de crimes não solucionados na Guatemala.

Antes de ter sido morto a tiros, em maio de 2009, o advogado alertou em uma mensagem gravada em vídeo que seria assassinado por ordem do presidente, Álvaro Colom. Posteriormente, o presidente foi inocentado.

A polícia procura os dois irmãos desde dezembro, quando eles foram relacionados ao crime pela primeira vez.

'Artimanha da chantagem' A investigação liderada por uma comissão das Nações Unidas concluiu que Rosenberg disse aos irmãos Valdes Paiz, seus primos, que ele estava sendo chantageado e precisava de sua ajuda para contratar um assassino para matar o chantagista.

Os irmãos são acusados de terem contratado o assassino e, seguindo as instruções do advogado, ter dito a ele onde e quando ele poderia matar o suposto chantagista.

Mas foi o próprio Rosenberg que compareceu ao local indicado, sendo morto a tiros, concluiu a investigação.

Falando em janeiro passado, o diretor da comissão da ONU, Carlos Castresana, disse acreditar que Rosenberg sofria de depressão e que queria chamar a atenção para os milhares de assassinatos que não são solucionados e cujos responsáveis não são punidos na Guatemala, a cada ano.

Segundo a correspondente da BBC Mundo na Guatemala Julie Lopez, as acusações de Rosenberg contra o presidente causaram uma profunda crise política no governo.

Apesar de o presidente Colom ter sido inocentado de qualquer envolvimento no assassinato do advogado, as alegações provocaram uma grande divisão no país já que, segundo a correspondente, muitos guatemaltecos acreditam que os irmãos são inocentes e que as acusações contra eles são falsas.

A comissão da ONU informou que os suspeitos se entregaram voluntariamente. Uma audiência foi marcada para o próximo dia 5.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host