UOL Notícias Notícias
 
18/07/2010 - 22h01

BP quer manter tampa de vedação até fechamento definitivo de poço

A petroleira britânica BP quer manter a tampa que vedou o poço danificado e paralisou o vazamento de petróleo no Golfo do México até a conclusão de outros poços que resolveriam definitivamente o problema. Os testes na tampa, que foi colocada na quinta-feira e parou o vazamento de petróleo pela primeira vez desde seu início em abril, continuam.

O executivo da BP encarregado de operações, Doug Suttles, afirmou neste domingo que não há uma "meta" a ser alcançada para reabrir o dispositivo e deixar o petróleo fluir novamente no Golfo do México.

Suttles afirmou que depois de dias de testes de pressão na cápsula colocada sobre o poço, a petroleira pretende manter o dispositivo vedando o vazamento.

"Nenhum associado a esta grande atividade (de contenção do vazamento) quer ver mais petróleo fluindo no Golfo do México", disse.

"Esperamos que, se estes sinais encorajadores continuarem, possamos continuar com os testes de integridade todo o tempo até que fechemos (definitivamente) o poço." O governo dos Estados Unidos esperava que, com o fim dos testes, a BP reabrisse a tampa e retomasse a canalização do petróleo para a superfície do mar, onde seria coletado por cargueiros até que os poços próximos ao vazamento estivessem prontos.

No sábado, o comandante da Guarda Costeira dos Estados Unidos e encarregado de coordenar a resposta ao incidente, almirante Thad Allen, disse que, no final dos três dias de testes de pressão, o poço danificado poderia ser conectado a canos que levariam a cargueiros na superfície, capazes de coletar 80 mil barris de petróleo por dia.

No entanto, neste domingo Allen indicou que o teste de pressão do dispositivo pode continuar a ser estendido diariamente.

Allen também insistiu que são necessárias mais provas antes de tomar a decisão de manter ou não a tampa no poço.

"Estamos satisfeitos com o fato de que nenhum petróleo está sendo liberado para o Golfo do México e queremos tomar todas as medidas apropriadas para manter isto, mas é importante que todas as decisões sejam guiadas pela ciência", afirmou.

A correspondente da BBC no Estado americano da Louisiana Laura Trevelyan, afirmou que ainda não está claro se há desacordo entre a BP e o governo americano ou apenas uma diferença de ênfase nas afirmações.

Temor A pressão dentro do poço danificado estaria mais baixa do que o esperado neste domingo, o que aumentou o temor entre cientistas de que o petróleo poderia estar vazando pelo fundo do mar, em volta do poço.

A grande questão para os envolvidos na operação é se a tampa consegue suportar a pressão sem danificar ainda mais o poço.

A política dos Estados Unidos desde a paralisação do fluxo de petróleo no Golfo do México tem sido consistente, com o almirante Thad Allen afirmando que um teste sísmico seria feito na área do poço depois que os testes iniciais fossem concluídos.

Allen descreveu a possibilidade de usar a tampa para fechar o poço permanentemente como um "benefício a mais". E qualquer medida para manter a tampa deverá ser aprovada pelo governo americano.

Seja qual for a decisão, a solução com o uso da tampa é considerada provisória até a construção de outros poços próximos ao vazamento, que cessariam definitivamente o fluxo de petróleo.

O vazamento no Golfo do México começou em 20 de abril, quando a plataforma de petróleo Deepwater Horizon, operada pela BP, explodiu e afundou, matando 11 funcionários.

Desde então, a petroleira britânica tentou várias estratégias para conter o vazamento de petróleo, localizado a uma profundidade de cerca de 1,5 mil metros. Este já é considerado o pior desastre ambiental da história americana.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host