UOL Notícias Notícias
 
02/08/2010 - 14h48

Obama confirma retirada até fim do mês de tropas de combate no Iraque

O presidente americano, Barack Obama, confirmou nesta segunda-feira que, até o fim deste mês, os Estados Unidos vão retirar todas as suas tropas de combate do Iraque, conforme ele próprio havia prometido no início de seu governo.

Dos atuais 65 mil soldados no Iraque, 50 mil permanecerão até o fim de 2011 para auxiliar as forças iraquianas e proteger os interesses dos Estados Unidos no país.

"Pouco depois de assumir o cargo, anunciei a nova estratégia para o Iraque, a transição para responsabilidade total iraquiana e deixei claro que até 31 de agosto, a missão americana no Iraque acabaria", disse Obama em um discurso no Estado da Geórgia.

"E é exatamente o que estamos fazendo, como prometido e dentro do prazo." Obama enfatizou seu compromisso com as tropas em serviço nas guerras do Iraque e do Afeganistão e também com os veteranos de guerra do país.

"Nosso compromisso com o Iraque está mudando de um esforço militar liderado por nossas tropas para um esforço civil liderado por nossos diplomatas", disse ele.

Enquanto retira suas tropas do Iraque, o presidente Obama eleva a presença militar dos Estados Unidos no Afeganistão, para onde serão enviados mais 30 mil soldados americanos.

Vítimas O anúncio do governo americano foi feito no momento em que Washington e Bagdá se desentendem em relação ao número de mortos no conflito iraquiano.

No fim de semana, o governo iraquiano afirmou que 535 pessoas morreram em ataques em julho - o nível mais alto de violência em mais de dois anos no país.

O governo americano afirma que o número de mortos foi 222. Entretanto, nenhuma razão foi oferecida para explicar por que os números provenientes de ambas as fontes são tão diferentes.

Depois que o governo iraquiano divulgou suas estatísticas, analistas interpretaram o aumento da violência no país à incerteza criada pelo vácuo político desde as eleições de março deste ano.

Os grupos vencedores ainda não chegaram a um acordo sobre quem deverá ser o primeiro-ministro do país.

O pleito, no dia 7 de março, terminou com a vitória da coalizão liderada pelo ex-premiê Iyad Allawi, que conquistou 91 cadeiras no Parlamento. Já o bloco do atual primeiro-ministro iraquiano, Nouri Al-Maliki, conquistou duas cadeiras a menos.

Ambos os grupos ficaram bastante aquém dos 163 parlamentares necessários para formar um governo.

Segundo a site independente www.iraqbodycount.org, cerca de 100 mil civis morreram no país de mortes violentas desde a invasão do país por forças lideradas pelos Estados Unidos, em 2003.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host