UOL Notícias Notícias
 
22/08/2010 - 10h21

Partidos negociam com independentes formação de novo governo

Os líderes dos dois principais partidos australianos afirmaram neste domingo que inciaram negociações com candidatos independentes para a formação de um eventual governo de coalização.

Já foram contados 78% dos votos e nenhum dos dois partidos, o governista Trabalhista e o oposicionista Conservador, deve conquistar os 76 assentos no Parlamento necessários para governar sem a formação de uma coalizão.

Projeções indicam 72 cadeiras para os trabalhistas e 73 para os conservadores.

Se o panorama for confirmado, esta será a primeira vez desde 1940 que a Austrália elege um parlamento dividido, sem que um partido detenha a maioria para comandar o governo.

Negociações A atual premiê, Julia Gillard, disse que "é minha intenção negociar de boa fé um acordo efetivo para formar um governo".

Ela disse que vai "continuar a garantir um governo estável de acordo com nosso processo democrático enquanto os últimos votos são contados".

O líder da oposição, Tony Abbot, disse que a votação refletiu "uma enorme rejeição a este governo" e que também negocia com partidos menores e candidatos independentes.

Entre estes, estão três independentes confirmados e um que ainda aguarda confirmação e um candidato do Partido Verde.

Gillard se tornou primeira-ministra em junho passado, depois substituir o então primeiro-ministro Kevin Rudd na liderança do Partido Trabalhista.

Mas ela vem perdendo popularidade por causa de várias questões, que incluem a maneira usada para tomar o posto de Rudd na liderança do partido, e sua política de governo para mudanças climáticas.

Já Abbott é apelidado de "monge maluco" por ter estudado por um breve período para tornar-se padre. O oposicionista tem posição contrária a temas como aborto, união de pessoas do mesmo sexo e declara-se cético em relação às mudanças climáticas.

O correspondente da BBC em Sydney Nick Bryant disse que "Gilliard decidiu convocar as eleições calculando que a lua-de-mel iniciada quando tornou-se a primeira mulher a asumir o cargo duraria até a votação. Está claro que não durou".

"Mas a rejeição não foi tão grande a ponto de dar a vitória a Tony Abbott. Dúvidas sobre sua capacidade como primeiro-ministro podem ter prevalecido", diz ele.

A contagem dos votos deve ser finalizada nas próximas duas semanas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host