UOL Notícias Notícias
 
13/09/2010 - 11h21

Teatro palestino 'rompe bloqueio a Gaza' com barquinhos de papel

Um grupo de teatro palestino encontrou uma maneira simbólica de chamar atenção do resto do mundo para o embargo imposto por Israel à Faixa de Gaza, anunciando que vai "romper o bloqueio" lançando ao mar barquinhos de papel.

De acordo com o grupo Ashtar, que trabalha em Ramallah, na Cisjordânia, os barquinhos serão feitos com folhas de papel em que 33 adolescentes palestinos escreveram suas experiências durante a ofensiva israelense a Gaza - entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009.

Os barcos de papel serão lançados ao mar no dia 17 de outubro, segundo o grupo.

"Queremos levar a voz de Gaza para o mundo e assim romper o isolamento imposto por Israel", disse à BBC Brasil a diretora artística do grupo, Iman Aoun.

Escritos por adolescentes com idades de 13 a 18 anos, os textos já tinham servido de base para o projeto Gaza Mono-Logues. Traduzidos para várias línguas, eles serviram de inspiração para trabalhos teatrais desenvolvidos com adolescentes também em Belém, na Cisjordânia, e nas cidades de Aco e Haifa, em Israel.

De acordo com Iman, o projeto dos Mono-Logues já foi adotado por grupos de teatro de 36 países de Europa, América Latina, e Oriente Médio.

"Cada grupo trabalha de acordo com suas próprias visões artísticas", explicou a porta-voz do Ashtar, Najwa Mubarki, à BBC Brasil.

Em seu monólogo, Ehab, de 16 anos, descreve sua sensação depois que a guerra acabou: "Descobri que eu não existia antes da guerra, mas depois da guerra, cá estou eu - que Deus me proteja! - na cidade, respirando seu ar, cantando, dançando e chorando junto, e a vida continua...", diz o texto.

Muhamad, de 15 anos, descreve a que diz ser "a cor da guerra".

"Muitas vezes olhava para o céu através da ponta da janela e descobria que o mundo era tão vermelho, de tanto fogo e fumaça em volta..." Iman Aoun afirmou que depois que a ofensiva israelense terminou, sentiu necessidade de fazer alguma coisa para "ajudar a curar as feridas".

"Os danos causados pelo ataque israelense não são apenas físicos, o impacto emocional é de longa duração, principalmente para os jovens", afirmou.

O grupo Ashtar trabalhou durante meses com os adolescentes usando psicólogos e lançando mão de técnicas do chamado Teatro do Oprimido, desenvolvida pelo dramaturgo brasileiro Augusto Boal, que prega, entre outras coisas, a democratização dos meios de produção teatral e o acesso dos mais pobres ao teatro.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,27
    3,252
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h43

    1,34
    74.422,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host