UOL Notícias Notícias
 
23/02/2011 - 10h27

Após tremor, casal brasileiro fica só com passaporte e roupa do corpo

Ricardo Calil
Em Melbourne

Os brasileiros que moram em Christchurch, na Nova Zelândia, estão tentando colocar a vida em ordem depois dos terremotos de que destruíram parte da cidade. Alguns até já voltaram ao trabalho. Mas, para o casal Derek Piva e Angela Ragavani, voltar à vida normal está sendo mais difícil, pois eles tiveram que abandonar o apartamento onde moram no centro da cidade só com o passaporte e a roupa do corpo.

  • Danielli e Mathew Amstron...

  • Angela Ragavani e Derek Piva...

  • Vizinho de Danielli Amstrong usa escavadeira para limpar calçada...

  • Quarto de Danielli Amstrong...

  • Quintal da casa cheio de areia e rachaduras após terremoto

O condomínio onde vivem tem quatro prédios e todos estão interditados pela defesa civil neozelandesa. As colunas estão com rachaduras e correm o risco de desabar.

Angela e Derek passaram a noite na casa da amiga Carla Miller e na manhã desta quarta-feira (23) tentaram chegar até o apartamento para retirar roupas e alguns pertences, mas a polícia tinha cercado a área e eles estavam sem saber se iriam conseguir entrar em casa. O casal deve passar mais algumas noites na casa dos amigos até que os prédios estejam seguros.

O número oficial de mortos no terremoto que atingiu a cidade de Christchurch na terça-feira já chega a 75, mas ainda há cerca de 300 pessoas desaparecidas. O tremor atingiu magnitude de 6,3.

Solidariedade

A piauiense Danielli Amstrong, que mora em Christchurch, destaca a solidariedade dos vizinhos logo depois do terremoto. "São amigos ajudando amigos, vizinhos ajudando vizinhos, estranhos socorrendo estranhos. (...) Nós trabalhamos fora o dia todo e quase não temos contato com os nossos vizinhos, mas hoje de manhã (quarta-feira) um (vizinho) bateu aqui na porta de casa oferecendo ajuda e perguntando se precisávamos de leite ou de um pedaço de pão. Isso é a coisa mais gratificante do mundo. Você vê que não está sozinho e que tem alguém preocupado com o seu bem-estar. Isso é muito importante", disse.

Danielli mora com o marido Mathew Amstrong no bairro de Sydehan, a dez minutos do centro da cidade e tirou algumas fotos do quintal de casa que está cheio de areia e da rua onde mora. Os vizinhos estão usando até uma escavadeira para retirar a água e areia que surgiu com o terremoto.

Esse fenômeno é conhecido como liquefação, o solo de Christchurch é arenoso e com o tremor, a areia e a água que estão no subsolo inundaram casas e ruas.

Trovão

Danielli é funcionária do hospital Princess Margareth, no centro da cidade. Na hora do terremoto, ela estava trabalhando e ajudou a socorrer alguns colegas que se feriram. "Primeiro eu ouvi como se fosse um trovão e depois tudo começou a sacudir. As cadeiras começaram a andar, mesmo com as pessoas. Foi uma loucura. Corremos para ver quem estava machucado. Eu estava calma e a ajudei a minha chefe a socorrer algumas pessoas, depois ela mandou que eu descesse pra rua. Eu trabalho no 4º andar do prédio do hospital", afirmou.

Danielli chegou em casa e ligou para o marido, que trabalha próximo ao aeroporto. Naquela região, nada havia acontecido. "Ele nem sabia que a cidade tinha sido sacudida por um terremoto. Depois fui ver se havia algum dano na casa. No meu quarto, a TV estava sobre a cama e a estante no chão", afirmou.

Segundo Danielli, a cidade ainda está tumultuada com os tremores secundários que toda hora assustam, mas a solidariedade das pessoas ajuda a superar os problemas.

Em sua página no Facebook, ela contou como está a situação em Christchurch. "Dia de sorte hoje (quarta-feira), limparam toda nossa driveway (entrada do carro) com uma escavadeira, tudo já está no chão, a casa já esta parecendo mais normal... só a falta de água que é chato pra caramba, mas, na medida do possível, estamos todos bem, a solidariedade das pessoas chega a comover, apesar de tudo eu ainda amo esse país e esta cidade."

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,31
    3,139
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,52
    64.640,45
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host