UOL Notícias Notícias
 
25/04/2011 - 07h52

Pelo menos 150 presos em Guantánamo eram inocentes, dizem documentos vazados

Pelo menos 150 suspeitos que ficaram detidos na prisão americana de Guantánamo desde 2002 são inocentes, indicam documentos confidenciais do governo dos EUA vazados pelo site Wikileaks.

Os arquivos, publicados em jornais da imprensa estrangeira como The New York Times, Washington Post, El País e The Guardian, revelam uma análise de todas as 780 pessoas que passaram pela prisão de segurança máxima desde 2002.

Independentemente de serem inocentes ou culpados, os prisioneiros são classificados de acordo com a qualidade das informações que podem prover e o risco que representam para a segurança americana.

As autoridades militares americanas consideraram 220 dos prisioneiros de Guantánamo como militantes extremistas de alto risco.

Outros 380 presos foram classificados como pessoal de baixo escalão do Talebã.
Pelo menos 150 deles são cidadãos afegãos ou paquistaneses inocentes – motoristas, fazendeiros e cozinheiros – capturados durante operações de inteligência em zonas de guerra.

Em muitos casos os suspeitos foram detidos após serem confundidos com pessoas procuradas ou simplesmente porque estavam no lugar errado e na hora errada, afirmam os memorandos.

O Pentágono qualificou o vazamento dos documentos como "infeliz" e disse que as avaliações foram feitas como "raios-X" que podem estar desatualizados.

Planos de ataques

Os documentos também revelaram detalhes de supostos planos de ataques terroristas a alvos na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos.

Sob interrogação, os presos teriam mencionado a suposta existência de uma arma nuclear a ser detonada na Europa em caso de prisão do líder da rede extremista Al-Qaeda, Osama Bin Laden.

Entre outros supostos planos, estaria o de impregnar o sistema de ar condicionado de edifícios públicos americanos com cianeto, um veneno mortal, e recrutar militantes no aeroporto londrino de Heathrow, o mais movimentado da Europa.

O repórter da BBC em Washington Jonny Dymond disse que parte das histórias contidas nos documentos já era conhecida, mas os detalhes nunca vieram através de uma fonte oficial do governo americano.

A prisão de Guantánamo, localizada em uma base naval americana na ilha de Cuba, abriga hoje cerca de 180 prisioneiros.
O presidente americano, Barack Obama, prometeu em 2009 fechar a prisão no seu primeiro ano de governo.
Entretanto, não apenas isto não aconteceu como, recentemente, a Casa Branca anunciou a retomada dos julgamentos militares no local.

Apesar disso, o governo Obama diz que não abandonou a ideia de fechar Guantánamo.

Veja mais

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h20

    0,67
    5,451
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h24

    -0,44
    101.726,37
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host