UOL Notícias Notícias
 
04/05/2011 - 08h07

Facções palestinas Fatah e Hamas assinam acordo de reconciliação

  • Palestinos agitam bandeiras do Hamas e do Fatah durante comemoração pela reconciliação entre os dois grupos palestinos, na Cidade de Gaza

    Palestinos agitam bandeiras do Hamas e do Fatah durante comemoração pela reconciliação entre os dois grupos palestinos, na Cidade de Gaza

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, e o líder do Hamas, Haled Mashal, assinaram nesta quarta-feira, no Cairo, um acordo de reconciliação após quatro anos de cisão entre os grupos.

Na cerimônia no Cairo, Abbas disse que o acordo "fecha uma página negra na história do povo palestino que causou muito danos".

O acordo estabelece a formação de um governo de transição, integrado por tecnocratas, cujas principais tarefas serão preparar as próximas eleições palestinas e reconstruir a faixa de Gaza.

Ainda não está claro se este governo de transição irá reestruturar as forças de segurança, que respondiam a comandos diferentes - o Hamas vinha controlando as forças de segurança na faixa de Gaza, e o Fatah as da Cisjordânia.

As eleições deverão ser realizadas dentro de um ano, no dia 4 de maio de 2012. Elas elegerão o Parlamento e o presidente da Autoridade Palestina.

O presidente Abbas declarou nesta quarta-feira que não pretende se recandidatar ao cargo.

Mais 13 facções palestinas menores expressaram seu apoio ao acordo, assinando os termos na terça-feira.

O representante da Frente Popular pela Libertação da Palestina, Maher al-Taher, disse que o grupo assinou o acordo, embora "tenha reservas".

Walid al-Awad, do Partido do Povo Palestino, também afirmou que seu partido discorda de vários pontos, mas decidiu dar prioridade "ao interesse nacional".

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, condenou o acordo e afirmou que se trata de um "golpe duro ao processo de paz".

Netanyahu deu um ultimato a Abbas, afirmando que o presidente palestino deve escolher entre a paz com Israel ou com o Hamas.

Poucas horas antes da assinatura, o premiê israelense pediu a Abbas que "cancele imediatamente" o acordo com o Hamas.

O vice-ministro da Defesa de Israel, Matan Vilnay, disse que não acredita no acordo entre o Fatah e o Hamas pois, segundo ele, "os grupos não concordam em coisa alguma".

Vilnay mencionou a divergência entre as principais facções palestinas sobre a eliminação do líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, pelos Estados Unidos.

"O Fatah elogiou e o Hamas condenou", disse Vilnay, "que denominador comum eles podem ter?", perguntou e reiterou a posição do governo israelense, para quem o Hamas é um "grupo terrorista que quer destruir Israel".

Mas dentro do próprio governo há quem veja o acordo como um sinal positivo.

O jornal Haaretz publicou um relatório confidencial produzido pelo departamento de Planejamento Diplomático do ministério das Relações Exteriores, em que diplomatas do ministério propõem que o governo adote uma posição mais "construtiva" em relação à reconciliação entre as facções palestinas, pois ela poderia ser vista como uma "oportunidade" para um avanço no processo de paz. 

Veja mais

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h50

    1,07
    3,799
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h56

    -1,18
    94.879,11
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host