Topo

CarnaUOL

São Paulo


Liga das Escolas de Samba proíbe agressor da Vai-Vai de ir ao sambódromo

Homem agride mulher em ensaio técnico da Vai-Vai - Reprodução
Homem agride mulher em ensaio técnico da Vai-Vai Imagem: Reprodução

Olívia Dantas

Colaboração para o UOL, em São Paulo

22/01/2019 18h16

A Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo informou nesta terça-feira (22) que o homem flagrado em um vídeo agredindo uma mulher durante o ensaio técnico da Vai-Vai está proibido de entrar no sambódromo. A informação foi dada pelo presidente da entidade, Paulo Sérgio Ferreira, em entrevista ao UOL.

"A Liga já tomou a decisão com o agressor. Ele não pode entrar no sambódromo, tanto em desfile [veja a programação] quanto em ensaio. Isso foi decidido de imediato", afirmou. De acordo com uma nota divulgada, a Liga se comprometeu a responsabilizar a escola de samba pelo ocorrido, mas o presidente não revelou ainda qual seria a punição.

"Vai ser apurado para ver se a escola tem envolvimento. Mas pelo que se sabe até agora foi uma atitude isolada do integrante", disse Ferreira. O presidente da Liga afirmou ainda que é o primeiro caso de agressão registrado.

"Nos meus mais de 20 anos de sambódromo, foi o primeiro episódio desse tipo", falou. Ainda de acordo com Ferreira, a Vai-Vai já foi comunicada da decisão da Liga, mas não se manifestou.
Confira a íntegra do comunicado emitido no último domingo (20):

"A Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo vem a público expressar o seu absoluto repúdio às cenas de violências que foram registradas durante o ensaio técnico da Escola de Samba Vai-Vai, ocorrido na noite de sábado (19/1). Além dos lamentáveis atos de violência em que um membro da direção da escola agrediu uma mulher, houve considerável prejuízo à imagem do Carnaval de São Paulo, o que é inadmissível.

A Liga informa ainda que jamais foram registradas cenas como as de ontem durante os ensaios técnicos, que são realizados sempre nos meses que antecedem o carnaval, em clima de harmonia e confraternização entre os sambistas.

A Liga já abriu uma sindicância para apurar os fatos, e a Escola de Samba Vai-Vai será responsabilizada por este acontecimento lamentável e responderá pela postura de sua diretoria e componentes.
Reafirmamos o nosso repúdio à violência e o nosso compromisso com a cidade de São Paulo, para juntos realizarmos o maior e melhor Carnaval do Brasil".
 

Mais São Paulo