Topo

CarnaUOL

São Paulo


Ator da Águia fantasiado de Hitler: "Se for ao desfile corro risco de vida"

Ismael Toledo/FISESP
Walmir Sparapane foi ao ensaio vestido de Hitler, mas destaca que a suástica tinha um sinal de proibido Imagem: Ismael Toledo/FISESP

Débora Miranda

Colaboração para o UOL, em São Paulo

05/02/2019 04h00

Desde que sua foto no ensaio técnico da Águia de Ouro, do último sábado (2), viralizou na internet, a vida de Walmir Sparapane virou do avesso. Fantasiado de Hitler, com uma suástica no braço e uma faixa presidencial no peito, ele foi acusado de apologia ao nazismo e de criticar o presidente Jair Bolsonaro (PSL). O que ele nega.

"Eu sou totalmente contra qualquer tipo de manifestação fascista, nazista e contra o regime militar. Nem usei a suástica nazista na fantasia, usei a chinesa, que é virada para o outro lado [historicamente, há vários desenhos de suásticas com muitos significados dependendo da cultura]. O que as pessoas não viram é que a suástica estava atrás de um símbolo de proibido. Eu estava justamente fazendo uma manifestação contrária ao nazismo e o regime militar."

Segundo ele, a ideia da fantasia veio do enredo da Águia de Ouro: "Brasil, eu quero falar de você! Que país é esse!". "Existe uma parte do samba que fala sobre o ditador. Não teve absolutamente nada a ver com o Bolsonaro. A letra é: 'Vejam só que ironia/ Da colônia à monarquia por aqui nada mudou/ Imperava uma história mal contada/ Logo após republicada pelas mãos do ditador'. Jamais imaginei que daria essa repercussão".

A internet não perdoou. As redes sociais de Sparapane foram invadidas, e ele diz que foi ameaçado. "Desde ontem venho sendo atacado e ameaçado de morte. Recebi muitas mensagens do tipo 'se a escola não te punir a gente vai atrás de você', 'se eu fosse você eu vazava de São Paulo', 'não aparece no Anhembi porque você não sabe o que pode te acontecer'. Mas não li tudo, porque chegou uma hora em que eu comecei a passar mal, literalmente. Vomitei durante o dia, fiquei muito enjoado." 

Ator, maquiador e figurinista, ele diz que foi mal interpretado, que quem o conhece não o julgaria dessa forma e que sabe que está enfrentando tentativas de intimidação. "O que a gente está vivendo senão uma ditadura? Estou sendo censurado. Não cometi nenhum crime, mas estou arrependido. Eu me arrependo porque minha intenção nunca foi criar uma situação tão incômoda para todos. Me arrependo por ter percebido tanto ódio do ser humano, do povo brasileiro. É uma vontade de vingança que não dá para entender."

Sparapane desfila há 20 anos na Águia e, após o episódio, foi afastado do Carnaval deste ano. "Acabei aceitando numa boa a decisão da escola. Acho que se eu for ao desfile corro até risco de vida. E aí coloco também os outros componentes em risco. Eu seria destaque do mesmo carro em que vêm a velha guarda e 60 crianças. Não sei até que ponto vai esse tipo de fanatismo político." 

Fantasia errada, na hora errada

Durante os ensaios técnicos, a maior parte dos integrantes veste apenas a camisa da escola. "A escola deixa livre para irmos com a camiseta azul e branca, mas quem quiser ir fantasiado pode. Normalmente, as madrinhas e os destaques de carro alegórico vão. Eu sempre fui. A cada ensaio técnico vou com uma fantasia diferente", conta o ator, maquiador e figurinista. "Minha intenção é única e exclusivamente mostrar o meu trabalho. Não quero aparecer nem me promover, aposto sempre 100% nos personagens."

A primeira reação da Águia, quando o episódio veio à tona, foi se desculpar e dizer que Sparapane "aproveitou para se promover pessoalmente". Imediatamente também o maquiador postou um vídeo no Facebook se desculpando com a comunidade israelita.

"Me desculpei e me desculparei de novo, até pessoalmente se for necessário. Sou fã de Israel, já estive lá visitando. Tenho muitos amigos judeus e não imaginava que isso seria repercutido de forma maléfica até começarem a dizer que eu estava fazendo apologia ao nazismo e chamando o nosso presidente de fascista", afirma ele, mais uma vez destacando que símbolo de proibido deveria ter sido percebido pelo público, assim como sua intenção de protestar contra o nazismo.

Ele explica, ainda, o gesto com a mãos sinalizando arma, semelhante ao que Bolsonaro tantas vezes repetiu durante sua campanha. "Eu usei a posição da mão de arminha? Usei, mas como qualquer pessoa usaria. Não existe outra forma de você mostrar uma arma na mão se não for com aquele gesto. Isso para um desfile de Carnaval é normal."

Sparapane continua: "As pessoas que me conhecem sabe que eu sou puro amor. Foi uma falha, um momento errado que eu escolhi para fazer aquilo, a opção errada de fantasia, foi tudo errado. Agora não tem mais o que fazer a não ser pedir desculpas".

"Nunca fui petista nem comunista, sou progressista"

Um histórico de posts nas redes sociais criticando posições do presidente Jair Bolsonaro fez com que os ataques contra Sparapane se intensificassem ainda mais e que ele fosse chamada de petista. "Entraram em posts antigos meus e fizeram montagens com matérias do Bolsonaro, colocando fotos minhas", ele conta. 

"Estamos passando por um momento delicado, e eu sou parte dessa minoria que não aceita que homens tenham que se vestir de azul e mulheres, de rosa. Nem tampouco eu preferia ter um filho morto do que viado. Então, eu sempre repugnei esse tipo de ditadura que está surgindo. Mas nunca fui petista nem comunista. Eu sou artista, progressista. Talvez toda essa repercussão esteja sendo usada para que eu sirva como exemplo e que outras pessoas não cometam o mesmo erro. Para que saibam que serão punidas."

Sparapane defende que o Carnaval necessita de liberdade de expressão, sem censura, e diz que é importante o trabalho que tantas escolas fazem de recontar episódios da história do país. "O Carnaval não pode deixar de ter o brilhantismo do espetáculo, mas precisa, cada vez mais, sim, ser cultura e educação. E ser jornalístico, informativo e histórico. Porque a gente não tem educação no país. A internet taí e, em vez de as pessoas procurarem informação, elas ficam no Facebook te xoxando, ou no Instagram te ofendendo."

E encerra: "Então, quando você faz uma coisa dessas [se fantasiar], é para despertar a curiosidade das novas gerações, das pessoas que não sabem o que é um ditador e o que aquela palavra no meio do enredo significa. Por isso não fui de Bolsonaro nem de Temer. Eu preferi ir de Hitler".