PUBLICIDADE
Topo

Blocos de rua

Glitters ecologicamente corretos prometem dar brilho no Carnaval sem poluir

Os bioglitters estão virando mania neste Carnaval - Giltra bioglitter/Divulgação
Os bioglitters estão virando mania neste Carnaval Imagem: Giltra bioglitter/Divulgação

Thiago Camara

Colaboração para o UOL, no Rio

13/02/2019 04h00

A consciência ambiental invadiu o Carnaval e veio para ficar. Glitter e purpurina ganharam versões biodegradáveis e prometem manter o brilho e o glamour na hora de causar nos blocos e na avenida. Os brilhos convencionais, produzidos com microplásticos, são prejudiciais aos oceanos e demoram mil anos para se decompor. Além disso, o glitter pode ser prejudicial à saúde da água e dos peixes que os ingerem como se fossem alimentos.

Para entrar nessa maré ecoconsciente, o UOL preparou uma lista de produtos que estão bombando na internet e em lojas espalhadas pelo Brasil. Há opção também de um kit folião para lacrar com copos e canudos reutilizáveis e confetes de papel reciclável.

Pura bioglitter

O bioglitter feito de algas marinhas é a aposta da marca com sede no Rio de Janeiro. Frances Sansão, idealizadora da Pura, descobriu testando na cozinha de sua casa, no final de 2016, a fórmula do Bioglitter, baseada em ágar-ágar. "Na época, ela fez para uso próprio, mas viu a oportunidade de vender na época do Carnaval e foi um sucesso instantâneo", conta Marcela Figueiredo, sócia e responsável pelo marketing da Pura.
Preço: de R$ 10 a R$ 40 (de 3 ml a 40 ml)   
Onde comprar:  https://www.purabioglitter.com.br/ e em lojas físicas, no Rio de Janeiro, São Paulo e até Macapá

Glitra bioglitter

A marca carioca é uma criação de Maíra Inaê, ativista e apaixonada pelo Carnaval. "Nosso brilho é produzido com a mesma técnica da purpurina convencional: é uma impressão metalizada cortada em micropartículas sextavadas. A diferença é que ele é impresso num filme de celulose de eucalipto renovável e não plástico. Ou seja, feito de plantas ele se degrada no contato com os microorganismos do solo e da água", explica Maíra. São sete cores: turquesa, rosa, ouro, prata, vênus e as novas tulum e unicórnio.
Preço: R$ 55 (a unidade de 8 g)
Onde comprar: nas lojas Farm e Void. Em São Paulo ainda é possível encontrar na Cancan, na Dominique e na Amoreira. Também vende on-line: https://www.glitra.org/

Além de fazer brilhar, os bioglitters não poluem o mar - Brilhow/Divulgação - Brilhow/Divulgação
Além de fazer brilhar, os bioglitters não poluem o mar
Imagem: Brilhow/Divulgação

Brilhow

Para as biólogas Lilian Hill e Andressa Torres, produzir bioglitter é mais do que um negócio. "É uma causa a ser defendida. O glitter biodegradável precisa ser acessível a todos, pois a ideia é que as pessoas parem de usar o comum." Na empresa, as sócias fazem tudo, desde a produção até a venda e o marketing nas redes sociais. São três tipos de produto. O Escaminha é feito artesanalmente de ágar-ágar, corante alimentício e mica. Leva esse nome pois, na pele, dá uma textura de escamas de peixe. A Areia Mágica é uma mistura de mica com farinha de arroz, que fica um pó fino e bem brilhante. E o Estelar, produzido na Alemanha a partir de celulose de eucalipto sustentável. 
Preço: de R$ 10 a R$ 20 (no frasco ou no saco)
Onde comprar: pelo e-mail brilhow.vendas@gmail.com e no Rio também na Hi-Fi, loja colaborativa

Feverê.lab

Caçula entre as empresas de bioglitter, surgiu de um seminário de empreendedorismo do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), no final de janeiro de 2019. Igor Augusto, que já é microempresário, tinha o desafio de criar um produto real. A mensagem desenvolvida por ele para divulgar as vendas do bioglitter viralizou nos grupos de Carnaval do Rio, e ele teve a certeza de que não poderia encerrar a produção após o seminário. "Queremos que as pessoas passem o Carnaval sem intoxicar o mar. É uma festa com impacto financeiro positivo, mas também é uma festa com um impacto ambiental muito considerável." 
Preço: R$ 15 (valor sugerido)
Onde comprar: Luna Duna (lojas de Ipanema e Tijuca) e O Mercado (Botafogo Praia Shopping). É possível encomendar também nas redes sociais.

Shock

Criada no final de 2016 para vender produtos de proteção solar com alma carioca, a marca apresenta um glitter em gel com fator FPS 25 para ajudar quem quer botar a cara no sol, sem perder o brilho e a proteção. Guilherme Sá Freire, sócio e diretor de marketing, vê crescimento no mercado de ecoprodutos. "Notamos mais marcas surgindo no mercado, mas ainda precisa evoluir muito." 
Preço: R$ 45
Onde comprar: no site da marca (www.valeushock.com.br), nas Lojas Renner de todo o Brasil e nas farmácias Panvel e Drogasmil

Nossa Nova

Para quem quer ir além do bioglitter a Nossa Nova criou um kit Folião Consciente. São copos e canudos reutilizáveis, glitters biodegradáveis, confete feito a partir de papel reciclado e tatuagens da campanha "Não é não" para ecoar a voz das mulheres contra o assédio. "Podemos pensar que um copo de plástico não vai fazer diferença, mas quando um bloco inteiro de Carnaval pensa assim o desastre acontece. A partir do momento em que cada um de nós tivermos a consciência de que estamos usando recursos finitos de forma infinita teremos a proporção de aonde iremos chegar", defendem as gêmeas Gabriela e Giuliana Guidara, criadoras da marca. 
Preço: De R$ 41,90 a R$ 149,90 (frete grátis para SP)
Onde comprar: https://www.nossanova.com.br
 

Blocos de rua