PUBLICIDADE
Topo

Blocos de rua

Prefeito Bruno Covas é vaiado quando tem nome anunciado no Baixo Augusta

Secretário de cultura Alê Youssef e o prefeito Bruno Covas ontem, no Casa Comigo - Marcelo Justo/UOL
Secretário de cultura Alê Youssef e o prefeito Bruno Covas ontem, no Casa Comigo Imagem: Marcelo Justo/UOL

Mateus Araújo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/02/2019 16h51

Seguindo sua jornada carnavalesca, o prefeito Bruno Covas (PSDB) era presença confirmada hoje no bloco Acadêmicos do Baixo Augusta. Quando seu nome foi anunciado, no entanto, ele foi muito vaiado. 

A ida ao bloco constava na agenda oficial do prefeito e momentos antes, sua presença foi anunciada aos jornalistas pela assessoria, o que não aconteceu -- de acordo com informações equipe de comunicação da prefeitura, Bruno Covas estava a caminho mas desistiu. A banda chegou a agradecer a presença do prefeito, quando ele recebeu as vaias.

Bruno Covas seguiu para os últimos ensaios das escolas de samba Tom Maior, Vai-Vai e Mancha Verde, respectivamente. Assim ele concluiu as visitas em todas as quadras das escolas do grupo especial de São Paulo.

Em outro momento, os foliões puxaram coro contra o presidente Jair Bolsonaro. "Ei, Bolsonaro, vai tomar no c.", gritaram. 

O prefeito está passando por alguns blocos e escolas de samba e tem destacado a importância do Carnaval para a cidade de São Paulo. Ontem ele desfilou com o bloco Casa Comigo.

Alê Youssef, um dos fundadores do bloco, é atualmente secretário de Cultura de São Paulo -atuando justamente na gestão de Covas. 

Ele celebrou os dez anos do bloco paulistano afirmando: "Conquistamos o mais importante, que é o abraço da cidade". 

Para Youssef, é emocionante completar uma década de bloco com a aceitação dos paulistanos para o Carnaval. "Ontem, eu estava no Mamãe, Eu Quero, um bloco infantil, e via pais e filhos fantasiados. Antes, quando eu ia para o Carnaval do Rio, me perguntava se um dia ia ver isso em São Paulo", conta.

"Óbvio que ainda existem muitas dificuldades e melhorias a fazer", diz ele, com relação ao Carnaval, "mas o mais importante conquistamos, que é uma cidade que abraça a festa. Festa que, segundo projeção da CNI [Confederação Nacional da Indústria], deve movimentar R$ 1,9 bilhão."

Blocos de rua