Topo

CarnaUOL

Rio de Janeiro


Para voltar a vencer sozinha, Portela celebra Clara Nunes na Sapucaí

Bruna Prado/UOL
Imagem: Bruna Prado/UOL

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

05/03/2019 00h11Atualizada em 05/03/2019 13h19

Maior vencedora do Carnaval do Rio e uma das mais queridas, a Portela desfilou na Marquês de Sapucaí louvando o legado de Clara Nunes, ícone do samba e um dos personagens mais importantes de sua história, que nunca havia sido homenageada com um samba-enredo só para ela.

Assista aos melhores momentos do 2º dia de desfiles no Rio

UOL Entretenimento

"Na Madureira Moderníssima, Hei Sempre de Ouvir Cantar uma Sabiá" contou a trajetória da artista de forma ousada, tendo como pano de fundo a estética da pintora modernista Tarsila do Amaral e a cidade de Madureira.

A aposta da Portela, que quer voltar a vencer sozinha o Carnaval (depois de ter tido que dividir o título em 2017 com a Mocidade Independente de Padre Miguel), é a carnavalesca Rosa Magalhães, sete vezes campeã e responsável por cerimônias de abertura e encerramento do Pan-americano de 2007 e da Olimpíada de 2016.

No que depender da empolgação do público e do desfile seguro, sem erros técnicos, a Portela vem forte e deve, pelo menos, voltar para o Desfile das Campeãs.

Tear gigante

Um dos destaques da escola foi um tear gigante trazido para a Sapucaí. Era movido pela dança de passistas vestidas de artesãs. O vaivém das integrantes conferiu um belo efeito à alegoria, que ganhou em originalidade. Trata-se de uma referência à primeira profissão de Clara Nunes, que trabalhou com tecelagem.

Pais famosos

Outros carros alegóricos cristalizaram a origem da religiosidade da mineira Clara Nunes, trazendo a imagem da igreja de Paraopeba (MG), cidade natal da cantora. Na alegoria, a atriz Gloria Pires representou a mãe da artista, e o marido dela, o cantor Orlando Morais, o pai.

Quadro virou carro

O carro "Carnaval em Madureira" mostrou na avenida o quadro "Torre Eiffel de Madureira", de Tarsila do Amaral, em versão tridimensional, com a carnavalesca Rosa Magalhães como destaque. A atração fez referência a visita da modernista à cidade em 1924, quando, ao lado de amigos franceses, se encantou com a inusitada estrutura montada em um coreto.

Emanuelle Araújo encarna Clara Nunes no desfile da Portela - Reprodução/Globoplay
Emanuelle Araújo encarna Clara Nunes no desfile da Portela
Imagem: Reprodução/Globoplay

Da TV para a avenida

O último carro alegórico carregou a velha guarda da Portela, amigos de Clara Nunes e um altar com a atriz Emanuelle Araújo interpretando a artista. Ela já havia feito a homenagem no "Domingão do Faustão" e se caracterizou mais uma vez à perfeição. O público acompanhou e cantou junto e se emocionou. O desfile terminou de forma contagiante.

Os orixás

A conversão de Clara Nunes ao Candomblé foi representada em uma linda alegoria monocromática na cor marfim. Esculturas inspiradas em bonecas nigerianas ganharam a companhia de orixás do panteão africano, como Oxalá, Ogum, Oxóssi, Xangô, Omulu, Nanã, Oxum, Yemnamjá e Iansã. A cultura e, especialmente, as religiões afro-brasileiras vêm falando alto no Carnaval 2019.

Mais Rio de Janeiro