UOL CarrosUOL Carros
UOL BUSCA
Salão de Detroit 2008

16/01/2008 - 23h25
Salão de Detroit teme concorrência interna

CLÁUDIO DE SOUZA
Enviado especial a Detroit (EUA)

Um clima sombrio se abate sobre Detroit, sede do North American Auto Show, ou simplesmente Salão de Detroit, por enquanto o maior evento da indústria automotiva dos Estados Unidos. E é bom sublinhar o "por enquanto".

A crise econômica e de identidade das três grandes fábricas de automóveis dos EUA -- General Motors, Ford e Chrysler, em ordem de grandeza -- se faz sentir na cidade e em seu evento mais importante. Basta sair um pouco do centro de Detroit para se deparar com uma enorme quantidade de prédios, casas e galpões abandonados, além de vastos terrenos baldios. E mesmo no centro é preciso caminhar por longos minutos pelas ruas até cruzar com alguém.

Ao longo dos anos, milhares de pessoas deixaram a cidade em busca de oportunidades melhores que as oferecidas pela economia local, que sempre girou em torno das três fábricas. A população atual, de cerca de 915 mil habitantes, é nada menos que metade da aferida em 1950, de 1,8 milhão de pessoas, quando a indústria automotiva vivia seu auge. Entre 1970 (década da crise do petróleo, ocorrida em 1973) e 2000, mais de 500 mil pessoas deixaram Detroit. O êxodo diminuiu o ritmo desde então: o decréscimo populacional foi de 3,4% desde a virada do século.
Cláudio de Souza/UOL
Topo do prédio da General Motors, no centro de Detroit; cidade industrial perdeu metade da população em cerca de 50 anos
VEJA DEZENAS DE FOTOS DO SALÃO DE DETROIT 2008


Não bastasse a crise, há também a esquizofrenia de uma indústria obrigada a mostrar projetos que não agridam o meio ambiente e poupem energia, mas que continua apostando fichas em veículos monstruosos e beberrões -- com a justificativa de que existe demanda para eles.

Mas o golpe mais duro pode vir dos outros salões de carros norte-americanos que começam a ganhar força no vácuo de Detroit. É o caso do de Los Angeles, que foi antecipado para novembro; e os de Chicago (fevereiro) e Nova York (abril). Esse movimento pode fraturar o trio anual de grandes eventos mundiais do carro: Detroit, Tóquio e um salão na Europa (em termos de repercussão, Frankfurt nos anos ímpares, Paris e/ou Genebra nos anos pares).

Para as fábricas européias e asiáticas, priorizar os novos endereços nos EUA (Los Angeles, Nova York, Chicago) é mais interessante do que mobilizar-se para vir a Detroit, porque é neles que vive a maior parte de seus consumidores no país.

Foi o que fez a Porsche, que não está em Detroit este ano; é o que estuda fazer a BMW, que está aqui, mas diz que acompanha com atenção os passos das concorrentes. Marcas tradicionais, como Peugeot-Citroën, Renault e Fiat também não participam.

Pulando a cidade
Mesmo quem veio a Detroit o fez com menos ímpeto. A Nissan, que tem boa penetração no mercado dos EUA (seu sedã Altima é um dos dez veículos mais vendidos no país), optou por lançar seu supercarro GT-R em casa, no Salão de Tóquio, em dezembro; mostrou o novo SUV Murano em Los Angeles; e agora simplesmente pulou Detroit e vai exibir o reestilizado sedã Maxima em Nova York. A explicação é óbvia: de acordo com o jornal The Detroit News, a fábrica japonesa detém 7% do mercado na Califórnia, 6% em Nova York e apenas 1% no Estado de Michigan.

Outra explicação é o destaque que têm aqui a GM, Ford e Chrysler em termos de espaço e de agenda para a mídia -- até porque fazem seus grandes lançamentos em Detroit. Verdade que em Frankfurt 2007 a Audi e a BMW tiveram pavilhões específicos para elas, donas da casa -- só que o evento alemão é tão grande e tão eclético que isso não chega a parecer deselegante. Mas Detroit, para algumas fábricas de fora dos EUA que não se contentem com o segundo plano, pode mesmo ser desanimador.

A questão final é a mídia estrangeira, cujo comparecimento é importante para definir a magnitude de eventos como um salão internacional de carros. Jornalistas dos EUA e do Canadá podem achar Detroit (razoavelmente) conveniente.

Mas para os de qualquer outro país os demais salões dos EUA são mais interessantes, até porque se chega a eles em vôos diretos e há muito mais opções de hospedagem e atividades pós-trabalho. Em Detroit há apenas o frio e uma paisagem melancólica.



ÚLTIMAS NOTÍCIAS
12/01/2009

09h02- Sportback antecipa cupê quatro portas da Audi

06/01/2009

16h30- GM americana lança em Detroit segunda geração do utilitário Equinox

16/12/2008

14h00- Conceito S60 mostra segunda geração do médio-grande da Volvo

12/12/2008

17h00- Mercedes BlueZero: conceitos com motor elétrico e pilha a combustível

13/02/2008

11h27- Cai o número de visitantes do Salão de Detroit

21/01/2008

16h47- Detroit: Saturn mostra conceito elétrico

14h30- Lincoln mostra em Detroit o luxuoso MKT Concept

20/01/2008

15h12- Coreanas "roubam" clientes de Ford e GM

15h11- Copiados, chineses têm de enfrentar leis dos EUA

15h10- Detroit apresenta protótipos ecológicos e esportivos beberrões

18/01/2008

19h56- Lamborghini lança programa de personalização em Detroit

13h22- Fotos: veja o crossover Ford Edge, que vem ao Brasil

13h02- Fotos: os carros chineses em Detroit

08h53- Automóveis chineses são recebidos com desconfiança

17/01/2008

21h13- Detroit: Mazda mostra RX-8 2009

16h24- Volkswagen tem planos de se firmar no mercado de luxo

13h35- Detroit: Lincoln expõe MKT Concept

12h28- Detroit: Ford mostra 3ª versão do Verve

09h53- Mitsubishi apresenta versão esportiva do Lancer em Detroit

16/01/2008

23h25- Salão de Detroit teme concorrência interna

20h38- Detroit: Chrysler estica sedã 300C

19h17- Detroit: 'verde', ecoVoyager tem 271 cv

18h40- Maserati lança série do Quattroporte

18h02- Detroit: Hummer 'conversível' é atração

16h08- Mazda expõe o belo conceito Furai no Salão de Detroit

15h29- Detroit: Mercedes-Benz mostra jipão GLK

14h13- Ford F-150 também ganha nova geração em Detroit

14h09- Fotos: veja os roadsters do Salão de Detroit

13h30- Roadsters e furiosos mostram o que é ser esportivo

10h42- Dodge Ram de terceira geração é lançada em Detroit

Mais Notícias