Estudo questiona a teoria sobre a evolução das estrelas

PARIS, 18 agosto 2010 (AFP) - A descoberta de uma estrela de nêutrons com um forte campo magnético gerado pelo colapso de um astro com grande massa, que deveria ter criado um buraco negro, está intrigando os astrônomos, por quesionar a teoria sobre a evolução das estrelas, segundo um trabalho publicado nesta quarta-feira pela revista "Astronomy and Astrophysics".

Uma estrela de nêutrons, cuja densidade pode alcançar cem milhões de toneladas por centímetro cúbico, nasce do colapso de algumas estrelas de grande tamanho ao alcançar o final de sua vida e as de maior massa engendram um buraco negro.

Um magnetar, um tipo particular de estrela de nêutrons com um campo magnético um bilhão de vezes maior que o da Terra, foi detectado no cúmulo estelar de Westerlund 1, a 16.000 anos-luz da Terra, graças ao Very Large Telescope (VLT) instalado no Chile, assinala o Observatório Europeu Austral (ESO) em um comunicado.

Quanto mais maciça é uma estrela, mais curta é sua vida. As estrelas do cúmulo, todas relativamente jovens, têm a mesma idade, entre 3,5 e 5 milhões de anos, segundo as estimativas.

A estrela que se transformou num magnetar teve uma vida mais curta que suas companheiras ainda "vivas", portanto "deve ter sido muito mais maciça", explica Simon Clark, da Open University (Reino Unido), chefe da equipe e coautor do artigo.

Depois de determinar, graças a seus movimentos, a massa de estrelas que evoluíram em par dentro do cúmulo, os astrônomos calcularam que o magnetar provinha de uma estrela tão maciça quanto 40 sóis juntos.

Segundo a teoria sobre a evolução das estrelas vigente até agora, esses astros luminosos cuja massa inicial está entre 10 e 25 massas solares formam estrelas de nêutrons e os que têm uma massa superior a 25 massas solares devem produzir um buraco negro.

"Essas estrelas devem desprender-se de mais de nove décimos de sua massa antes de explodir em uma supernova, caso contrário formarão um buraco negro", afirma Ignacio Negueruela, da Universidade de Alicante (Espanha), que participou nas pesquisas.

A estrela que se converteu em magnetar pode ter possuído uma companheira estelar, que teria absorvido uma parte de sua matéria, em uma espécie de regime de emagrecimento gigantesco, o que explicaria o fato de não ter se convertido num buraco negro.

Mas os astrônomos se questionam: se uma estrela com mais de 40 massas solares consegue não evoluir até um buraco negro, qual é massa da qual realmente necessita uma estrela para entrar em colapso e formar um buraco negro?
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos