Topo

Robô Curiosity da Nasa se prepara para subir montanha em Marte

REUTERS/NASA/JPL-Caltech/MSSS
Um mosaico colorido feito pelo robô Curiosity mostra o solo às margens dos vales na região de Pahrump Hills em Marte nesta foto divulgada pela Nasa nesta quinta-feira (11). Após 18 meses, os cientistas da agência espacial americana afirmaram que o robô Curiosity atingiu a base do monte Sharp antes do previsto Imagem: REUTERS/NASA/JPL-Caltech/MSSS

Em Washington

2014-09-11T21:40:00

11/09/2014 21h40

O robô Curiosity da Nasa chegou à base do Monte Sharp e deve começar a explorá-lo em breve, informou nesta quinta-feira (11) a agência espacial americana.

A Nasa defendeu também o trabalho do veículo robótico, depois de um painel de revisão ter criticado a missão em julho, alegando que faltava foco à missão.

O explorador marciano, que custou à Nasa US$ 2,5 bilhões, pousou no planeta vermelho em agosto de 2012 com o objetivo de explorar o terreno e buscar vestígios que permitam averiguar se houve vida em Marte.

JPL-Caltech/Univ. of Arizona/Nasa
Robô Curiosity chega a montanha de Marte Imagem: JPL-Caltech/Univ. of Arizona/Nasa

"Por fim, chegamos à fronteira distante que buscamos por tanto tempo", disse John Grotzinger, cientista do projeto Curiosity do Instituto Tecnológico da Califórnia.

O veículo está agora na base do Monte Sharp (também conhecido como Aeolis Mons) e vai começar a subi-lo nos próximos dias para perfurar a rocha cinza esverdeada nas próximas duas semanas, disse Grotzinger.

O robô seguirá por uma rota um pouco mais direta do que havia sido planejado originalmente, depois que quatro de suas seis rodas foram danificadas no ano passado pelas rochas da superfície marciana.

"Este dano acelerou o ritmo do desgaste muito antes do que a equipe havia planejado. Em resposta, a equipe modificou a rota para um terreno mais suave", disse a Nasa em um comunicado.

Em julho, um painel de revisão independente disse que o objetivo da missão de coletar oito amostras da superfície de Marte para realizar 13 análises no total era "uma pobre contribuição para a ciência em troca de um investimento tão grande em uma missão importante".

O painel também questionou se os objetivos do robô serão cumpridos e manifestou preocupação com o fato de os cientistas que lideram o projeto da Nasa não terem se apresentado pessoalmente para que fossem abordadas questões relativas à missão.

"Isto deixou o painel com a impressão de que a equipe sente que seus integrantes são grandes demais para cair", indicou o relatório elaborado pelo painel de revisão.

Green disse que houve mal-entendidos em relação ao horário e que a Nasa não tentou evitar que a equipe científica fosse entrevistada.

Green acrescentou que a agência espacial leva em consideração as observações do painel.

"Não filtramos comentários, não os editamos, não bloqueamos suas opiniões", disse.

"Nós as solicitamos, absorvemos e atuamos em consequência disso".

Mais Ciência e Saúde