Sonda espacial japonesa Hayabusa-2 inicia viagem até asteroide primitivo

Em Tóquio

O foguete nipônico H-2A colocou nesta quarta-feira em órbita a sonda Hayabusa-2, que iniciou uma longa viagem com destino a um asteroide primitivo, no qual deve pousar em 2018 para recolher dados inéditos que aumentarão a compreensão do Sistema Solar.

O lançamento aconteceu às 13H22 locais na base meridional de Tanegashima, após dois adiamentos na última semana, anunciou a Agência Japonesa de Exploração Espacial (Jaxa).

Após uma hora e 47 minutos de voo sem incidentes, a sonda Hayabusa-2 se separou do foguete no local previsto, segundo a agência.

A Hayabusa-2 iniciou o voo em direção ao '1999 JU3', um asteroide primitivo quase esférico de menos de um quilômetro de diâmetro, que deve alcançar em meados de 2018.

O objetivo da missão é recolher poeira do subsolo deste corpo celeste rochoso, que contém carbono e água, para tentar compreender quais matérias orgânicas e aquosas se encontravam originalmente presentes no Sistema Solar. O retorno à Terra está previsto para 2020, caso a missão aconteça da maneira planejada.

"Esta missão para recolher matéria primitiva tem o potencial para revolucionar nossa compreensão das condições da formação dos planetas", afirmou a equipe que coordena o projeto na JAXA.

"Também pode revelar informações importantes para proteger o planeta", completou a agência.

A Hayabusa-2 é quase similar ao antecessor, Hayabusa, lançado em 2003 em direção a outro asteroide, mas tem uma tecnologia mais avançada a partir das lições deixadas pelos muitos problemas sofridos durante a primeira missão, que chegou perto do fracasso.

Hayabusa conseguiu chegar ao asteroide Itokawa depois de uma verdadeira epopeia de sete anos

O asteroide 1999 JU3 tem a mesma órbita que o Itokawa, mas é mais largo e contém substâncias orgânicas de natureza diferente.

"Ao chegar perto do asteroide 1999 JU3, a sonda observará toda a superfície com a ajuda de instrumentos de teledetecção", explicou a JAXA.

Depois, Hayabusa-2 vai liberar o veículo robotizado Minerva2 e o módulo de pouso Mascot (o equivalente ao Philae na missão europeia Rosetta), projetado pelo Centro Nacional de Estudos Espaciais (CNES) da França e pelo Centro Aeroespacial Alemão (DLR), que devem recolher amostras da superfície.

Mascot, que tem expectativa de vida de 12 horas, vai utilizar quatro instrumentos que permitirão conhecer a composição mineralógica do solo, segundo a coordenadora do projeto, Muriel Deleuze, do CNES.

"O asteroide 1999 JU3 é chamado de primitivo porque não evoluiu desde sua formação há 4,5 bilhões de anos, quando se formou o Sistema Solar", explica Francis Rocard, astrofísico do CNES.

Para recolher poeira do 1999 JU3, a sonda deve realizar uma operação espetacular: lançar uma espécie de pêndulo e esconder-se atrás do asteroide, enquanto esta espécie de canhão espacial projeta uma bola de metal para criar uma cratera de vários metros de diâmetro.

Após o "bombardeio", Hayabusa-2 deve avançar por pouco tempo pelo asteroide para reunir as amostras e depois iniciar a viagem de volta à Terra.

A primeira missão Hayabusa teve muito apelo popular e o sucesso, após vários incidentes técnicos, se tornou um símbolo da perseverança japonesa, capaz de superar a adversidade.

A popularidade de Hayabusa foi determinante para que o governo aceitasse um orçamento de 31 bilhões de ienes (260 milhões de dólares) para esta segunda missão espacial.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos