Marte emite metano regularmente, mas origem do gás é desconhecida

Em Washington

O robô americano Curiosity, da Nasa (agência espacial americana), que explora Marte, detectou emissões regulares de metano, anunciaram nesta terça-feira (16) cientistas da missão, sem conseguir identificar a origem deste gás, que na Terra é gerado por organismos vivos e decomposição de matéria orgânica.

Os resultados destas observações, publicados na revista Science, foram objeto de uma apresentação na conferência anual do sindicato de geofísicos americanos, reunidos em São Francisco esta semana.

A partir de dados coletados ao longo de 20 meses, os cientistas puderam constatar que o metano na cratera de Gale, onde o robô explorador pousou em agosto de 2012, era muito menor do que o previsto: aproximadamente metade do que esperavam detectar.

No entanto, os níveis de metano nesta cratera são exorbitantes. Este gás "registra picos de aumento em 10 vezes, ou até mais em determinadas ocasiões ao longo de 60 dias marcianos", informaram os autores do estudo, entre eles Christ Webster, do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa.

"Estes resultados sugerem que o metano é produzido ocasionalmente e escapa do solo perto da cratera de Gale", disseram os pesquisadores.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos