Zika: EUA aceita testes com mosquitos geneticamente modificados

  • ESA/ATG medialab

    Philae: robô ainda não acordou de seu sono, segundo cientistas

    Philae: robô ainda não acordou de seu sono, segundo cientistas

Washington, 12 Mar 2016 (AFP) - A agência reguladora americana de medicamentos aceitou provisoriamente nesta sexta-feira testes de campo com mosquitos geneticamente modificados para combater a zika e outras doenças infecciosas.

Em um documento publicado em seu site, a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) informou que os mosquitos machos geneticamente modificados chamados "OX513A" provavelmente não representam riscos para humanos, animais ou meio ambiente.

Os mosquitos "Aedes aegypti" geneticamente modificados pela empresa britânica Oxitec carregam um gene que reduz significativamente sua vida, enquanto suas crias morrem antes de chegar a idade adulta.

A ideia é eliminar as populações de mosquitos silvestres que transmitem doenças infecciosas, tais como zika, dengue e chikungunha.

Os mosquitos geneticamente modificados têm demonstrado ser eficientes na redução das populações de mosquitos em testes realizados no Brasil e em outros países.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos