Veículo da Nasa reacende esperança de achar água em Marte

  • Divulgação

    Em imagem feita pelo robô Curiosity, dois tons de minerais são encontrados em um local chamado Cidade Jardim no Monte Sharp, montanha localizada no centro da cratera Gale, no planeta Marte

    Em imagem feita pelo robô Curiosity, dois tons de minerais são encontrados em um local chamado Cidade Jardim no Monte Sharp, montanha localizada no centro da cratera Gale, no planeta Marte

A exploração de Marte pelo veículo robótico Curiosity, da Nasa, reacendeu as esperanças de que exista água perto da superfície do planeta vermelho - revelaram nesta segunda-feira (13) cientistas da missão espacial.

Os indícios consistem na presença de perclorato de cálcio no solo marciano, explicaram os astrofísicos.

Este tipo de sal altamente absorvente diminui o ponto de congelamento da água, o que lhe permite permanecer em estado líquido, de acordo com o estudo publicado na revista "Nature".

"Quando a noite cai, parte do vapor d'água na atmosfera se condensa na superfície marciana como geada", explicou o pesquisador do Insituto Niels Bohr, da Universidade de Copenhague Morten Bo Madsen, coautor do artigo.

"No entanto, o perclorato de cálcio é muito absorvente e, quando combinado com água, reduz seu congelamento e a geada pode novamente virar líquido", prosseguiu. "O solo é poroso, e o que estamos vendo é que a água pode se infiltrar até embaixo", afirmou.

O Curiosity também enviou imagens de sua turnê pela área do Monte Sharp mostrando aparentemente sedimentos depositados num passado distante por algum curso de água.

Se confirmada, a cratera no sopé do Monte Sharp poderá ter sido um lago.

No mês passado, a Nasa informou que quase metade do hemisfério norte de Marte já foi em algum momento um oceano, alcançando profundidades superiores aos 1.600 metros.

No entanto, 87% do líquido capaz de promover o aparecimento da vida foi perdido no espaço.

Uma teoria é que Marte tenha perdido o campo magnético que protegia sua superfície do bombardeio por partículas de alta energia enviadas pelo Sol.

Na ausência desse escudo, esta hipótese sugere que os prótons tenham simplesmente destruído a atmosfera lentamente.

Ainda que a presença de água perto da superfície marciana seja descoberta, as condições são tão hostis que a vida seria impossível, afirmam os pesquisadores.

"É muito seco, muito frio e a radiação cósmica é tão poderosa que penetra pelo menos um metro abaixo da superfície e mata toda a vida, pelo menos como a conhecemos na Terra", informou a universidade.

O veículo robótico Curiosity, que custou US$ 2,5 bilhões à Nasa, pousou no planeta vermelho em agosto de 2012 com o objetivo de explorar o terreno e procurar sinais que permitirão descobrir se houve ou não vida em Marte.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos