Cérebro grande não é exatamente uma boa notícia, diz estudo

Paris, 17 Fev 2016 (AFP) - Já se sabia que ter um cérebro grande não é, necessariamente, uma garantia de inteligência, e pode estar relacionado a uma maior probabilidade de extinção - de acordo com um estudo que aparece nesta quarta-feira no periódico Proceedings B, da Royal Society britânica.

Ter um cérebro grande pode ser uma desvantagem, afirma o professor Eric Abelson, do Departamento de Biologia da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos.

Esse pesquisador calculou o tamanho do cérebro de 1.679 animais de 160 espécies diferentes e comparou essas medidas com os dados da União Internacional para a Conservação da Natureza. Esta instituição avalia o risco de extinção de milhares de espécies e subespécies.

De acordo com Abelson, há uma correlação entre o quociente de encefalização (que mede o tamanho do cérebro em relação ao restante do corpo) e o risco de extinção.

Essa correlação é ainda maior nos animais pequenos, acrescenta.

De fato, manter um cérebro grande tem um custo metabólico significativo. Implica um consumo de energia mais importante sem que, ao que parece, isso implique maiores capacidades de adaptação.

Para Eric Abelson, os custos de um forte quociente de encefalização superam as vantagens nas espécies pequenas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos