Missão resgata doentes no polo Sul na escuridão e sob temperatura de -60° C

Em Washington

  • Robert Schwarz/National Science Foundation /Divulgação

Um pequeno avião adaptado para operar sob temperaturas extremamente baixas resgatou na quarta-feira dois integrantes da equipe da base científica americana Amundsen-Scott no Polo Sul, que estavam doentes, em uma operação perigosa em pleno inverno austral.

Durante esse período, de fevereiro a outubro, a noite é quase permanente e as temperaturas são extremamente baixas. Na terça-feira, o termômetro marcava -60° C.

O bimotor Twin Otter, da empresa canadense Kenn Borek Air, com uma tripulação de três membros e uma equipe médica a bordo, chegou ao local após um voo de dez horas que decolou na base britânica Rothera, na península Antártica.

Robert Schwarz/National Science Foundation /Divulgação
O avião é capaz de funcionar com temperatura de até -75 °C

O avião, que pode transportar 18 passageiros, é capaz de funcionar sob temperaturas de até -75°C. O combustível, as baterias e os circuitos hidráulicos contam com um sistema de calefação, utilizado principalmente antes da decolagem.

Os voos são perigosos sob tais condições climáticas e na escuridão, e este tipo de operação, portanto, é arriscada e realizada apenas em casos excepcionais.

Doentes serão tratados na América do Sul

De acordo com Peter West, porta-voz da Fundação Nacional de Ciências (NSF), os doentes serão tratados posteriormente em um hospital da América do Sul. A identidade dos pacientes e suas condições de saúde não foram reveladas.

A NSF, responsável pelo funcionamento da estação de pesquisas Amundsen-Scott, situada a cerca de 250 metros do polo Sul geográfico, disse apenas que se tratava de dois trabalhadores da empresa americana Lockheed Martin, responsável pela logística da base.

Robert Schwarz/National Science Foundation /Divulgação
Os voos para a região durante o inverno são muito perigosos


A agência americana decidiu organizar esta operação de evacuação devido ao estado de saúde de um dos membros da equipe da base. A missão científica no local conta com 39 homens e nove mulheres que permanecem lá durante todo o inverno austral.

Esta é a terceira missão de evacuação realizada em pleno inverno nesta base. A primeira foi em 2001, quando o único médico da estação sofreu uma pancreatite potencialmente mortal e teve de ser evacuado com urgência.

No mesmo ano, foi realizada uma segunda evacuação médica bem-sucedida no local.

Em 1999, a então médica da estação americana, Jerri Nielsen, que sofria de um câncer de mama, teve que ser resgatada, mas a missão ocorreu na primavera, quando o clima é um pouco mais favorável.

Para que serve a estação

A estação Amundsen-Scott realiza um grande número de observações e medições científicas, incluindo a de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera.

O local possui, ainda, dois radiotelescópios que utilizam as micro-ondas da radiação cósmica de fundo deixadas pelo Big Bang para estudar o início do universo, a energia escura e a matéria escura.

Cientistas encontram fragmentos de meteoritos na Antártica

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos