Brexit prejudica políticas climáticas da UE, dizem especialistas

Londres, 28 Jun 2016 (AFP) - A saída do Reino Unido da União Europeia pode solapar o papel de liderança do bloco na luta contra as mudanças climáticas, além de bloquear os esforços para definir metas mais ambiciosas para o corte de emissão de gases do efeito estufa, disseram autoridades e especialistas nesta terça (28).

O dano pode vir a ser maior, se o processo de divórcio entre Reino Unido e UE for demorado, ou se o Brexit inspirar outras nações a seguir o exemplo, segundo as mesmas fontes.

Líderes europeus reunidos em Bruxelas nesta terça-feira pressionaram o primeiro-ministro britânico, David Cameron, para dar início "o quanto antes" ao processo de retirada do bloco. Esse trâmite deve durar dois anos.

Cameron declarou, porém, que vai deixar essa tarefa para seu sucessor, o qual será nomeado em 9 de setembro.

Em relação às políticas climáticas da UE, "vai haver bastante incerteza, transição e volatilidade por pelo menos dois anos" disse a secretária-executiva da ONU para o Clima, Christiana Figueres, aos delegados da Cúpula para o Clima e Negócios de 2016 realizada em Londres, nesta terça.

Os compromissos próprios de redução de emissões da Reino Unido, definidos na legislação nacional, não devem avançar, mesmo se o aquecimento global estiver no topo da agenda do novo governo conservador - o que também é improvável.

Esse cenário deverá criar uma situação difícil para os governos, administrativa e economicamente, visto que os compromissos no combate às mudanças climáticas que os então 28 países membros do bloco assumiram no Acordo de Paris de 2015 terão de ser recalculados entre os 27 membros restantes.

"A UE teria de recalibrar os esforços de divisão de deveres", disse Figueres, referindo-se às negociações internas sobre como os Estados europeus repartem as metas de redução de carbono do bloco.

Novos termos também deverão ser negociados para o acesso da Grã-Bretanha - que importa quase metade da eletricidade que consome - ao mercado europeu da energia.

O Brexit será, ainda, uma grande dor de cabeça para as empresas dos setores energético e climático.

"Dentro da comunidade de negócios, a quantidade de tempo de gestão que será gasto desnecessariamente nessa questão vai desviar o foco das decisões importantes que precisamos fazer", disse Peter Sweatman, presidente da Estratégia Climática, empresa internacional de consultoria sediada na Espanha.

Em um ambiente internacional altamente competitivo, "nós não podemos nos dar ao luxo de focar em coisas não produtivas", insistiu Sweatman, nessa conferência de dois dias realizada em Londres.

Alguns analistas temem que a saída da Grã-Bretanha prejudique a capacidade da UE de aumentar suas metas de redução de carbono - algo que os cientistas dizem que todos os principais emissores devem fazer para evitar que a Terra sofra os impactos desastrosos das mudanças climáticas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos