China lança nova missão espacial tripulada

Pequim, 17 Out 2016 (AFP) - A China lançou nesta segunda-feira uma nova missão espacial com dois astronautas, em direção ao segundo laboratório orbital do país, como parte dos preparativos para o projeto de uma estação espacial tripulada, prevista para 2022.

Os dois astronautas, Jing Haipeng e Chen Dong, decolaram da base de Jiuquan, no deserto de Gobi (noroeste), a bordo da Shenzhou-11 ("Nave divina-11"), propulsada por um foguete "Larga Marcha-2F".

Os dois devem chegar em 48 horas ao segundo laboratório espacial chinês "Tiangong-2" ("Palácio celeste-2"), inaugurado no mês passado. Eles devem permanecer 30 dias no laboratório espacial antes de retornar para a Terra, um prazo recorde para astronautas chineses, de acordo com a agência estatal Xinhua.

Os dois "taikonautas", como os chineses chamam seus astronautas, devem realizar experimentos nas áreas de medicina, biologia, física, assim como pesquisas sobre tempestades solares e testes para o reparo de equipamentos.

Jing Haipeng, comandante da missão, está em sua terceira viagem espacial e celebrará seu aniversário a bordo da estação.

- Potência espacial -A conquista espacial, coordenada pelo Estado-Maior militar, é considerada na China um símbolo da força do país. Pequim investe bilhões de dólares nos programas espaciais para tentar chegar ao mesmo nível dos Estados Unidos, Europa e Rússia.

A China enviou o primeiro homem ao espaço em 2003. Dez anos depois, o país concluiu com sucesso a missão tripulada "Shenzhou-10", após 15 dias de órbita ao redor da Terra.

A China almeja uma estação espacial tripulada em 2022, quando a Estação Espacial Internacional (ISS) não estará mais em funcionamento.

O presidente chinês Xi Jinping enviou uma mensagem de felicitações à tripulação da missão Shenzhou-11.

O texto afirma que a missão deve garantir que "os passos dados pelos chineses na exploração espacial são os maiores e vão mais longe", contribuindo assim para "fazer da China uma potência espacial".

O laboratório Tiangong-2, ao qual se acoplarão os astronautas, está em órbita a 393 km de altitude e possui dois conjuntos: uma cabine de experiências que também serve de habitáculo, além de um espaço de armazenamento com painéis solares, motores e baterias.

Durante a viagem, os dois taikonautas realizarão testes sobre a saúde e a falta de gravidade, devem plantar mostras de arroz, assim como coordenar pesquisas sobre o relógio atômico "frio" embarcado no mês passado a bordo do "Palácio celeste-2", cujo sistema de resfriamento de átomos melhora consideravelmente a precisão, segundo o jornal China Daily.

Os taikonautas terão duas horas de tempo livre por dia, para assistir filmes, ouvir música e fazer vídeo-chamadas para a Terra.

"Preparamos para eles mais de 100 tipos de alimentação e bebidas", afirmou ao jornal Wu Ping, vice-diretora do programa de voos tripulados. Os dois terão a sua disposição uma esteira de corrida e uma bicicleta ergométrica.

Além da estação espacial, Pequim sonha em enviar um homem à Lua. Em dezembro de 2013, a sonda chinesa Chang'e-3 fez uma alunissagem e desembarcou na superfície lunar o veículo teleguiado batizado "Coelho de jade".

A missão foi considerada um "sucesso" pelo governo, mas o veículo lunar passou por problemas que o deixaram em longas fases de "coma".

Pequim também ambiciona lançar uma nave espacial ao redor de Marte até 2020, antes de enviar um veículo teleguiado ao planeta vermelho.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos