Estudo aponta avanços em pílula de ação prolongada contra malária

Miami, 16 Nov 2016 (AFP) - Os cientistas fizeram avanços na obtenção de uma pílula que permanece no estômago e libera o seu conteúdo durante um período de duas semanas, um avanço que poderia impulsionar a luta contra a malária e outras doenças, revelou um estudo na quarta-feira.

A pesquisa, financiada pela Fundação Bill e Melinda Gates, ministrou a droga antiparasitária e antimalária ivermectina em centenas de porcos e cães através de uma cápsula que se expande temporariamente no estômago de modo que não pode passar aos intestinos até que todo o conteúdo tenha sido liberado.

Os ensaios clínicos com humanos devem começar no próximo ano, segundo os pesquisadores.

"Temos muita confiança na segurança dessas formas de dosagem", disse o principal autor do estudo, Andrew Bellinger, ex-pesquisador do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e hoje cardiologista do Brigham and Women's Hospital.

O objetivo é aumentar os esforços para eliminar a malária, tornando mais fácil para as pessoas obterem a medicação que precisam e evitando que tenham de se lembrar de tomar um comprimido diariamente.

"Fazer com que os pacientes tomem um remédio dia após dia após dia é realmente desafiador", disse Bellinger.

"Se o medicamento pudesse ser eficaz por um longo período de tempo, você poderia melhorar radicalmente a eficácia das suas campanhas de medicação em massa", acrescentou.

O pesquisador Robert Langer, também do MIT, disse que o sistema tem uma riqueza de usos potenciais.

Uma nova empresa, Lyndra, foi lançada por pesquisadores e outros para desenvolver a tecnologia de uso contra transtornos neuropsiquiátricos, HIV, diabetes e epilepsia.

"Até agora, as drogas orais quase nunca duravam mais de um dia", disse Langer.

"Isso realmente abre a porta para sistemas orais de ultra-longa duração, o que poderia ter um efeito sobre todos os tipos de doenças, como o mal de Alzheimer ou problemas de saúde mental", acrescentou.

A cápsula é "estável o suficiente para sobreviver ao ambiente áspero do estômago" e vem em forma de uma estrela com seis pontas que podem ser dobradas para dentro e revestidas para fácil deglutição.

Cada ponta é carregada com medicamentos, e estas pontas se abrem e desdobram dentro do estômago conforme o ácido destrói a camada exterior da cápsula.

A estrela permanece dentro do estômago enquanto o medicamento é liberado gradualmente, e em seguida se rompe e viaja pelo trato digestivo.

Os resultados foram publicados na revista Science Translational Medicine.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos