Cientistas encontram na Amazônia vestígios de povos de mais de 2.000 anos

  • Jenny Watling

    Desenho feito por povo indígena há mais de 2.000 anos no Estado do Acre

    Desenho feito por povo indígena há mais de 2.000 anos no Estado do Acre

Muito antes de os europeus terem chegado às Américas em 1492, a floresta amazônica foi transformada durante milhares de anos pelos povos indígenas, que escavaram mais de 400 círculos misteriosos na paisagem acriana - informaram cientistas nesta segunda-feira (6).

Embora o propósito dessas centenas de valetas, ou geoglifos, permaneçam um mistério, cientistas afirmam que podem ter servido como locais de ritual.

Juntamente com fotos aéreas, o desmatamento moderno ajudou a revelar cerca de 450 desses desenhos no estado do Acre, oeste da Amazônia brasileira.

"O fato de esses locais terem ficado escondidos sob a floresta tropical madura realmente muda a ideia de que as florestas amazônicas são 'ecossistemas intocados'", afirmou a principal autora do estudo, Jennifer Watling, pesquisadora de Pós-Doutorado do Museu de Arqueologia e Etnografia na USP (Universidade de São Paulo).

Arqueólogos descobriram pouquíssimos artefatos dos locais e cientistas suspeitam que as estruturas - que se estendem por 13.000 quilômetros quadrados - não foram construídas para criar cidades, ou por razões de defesa.

Ao invés disso, eles acreditam que os humanos alteraram florestas de bambu e criaram clareiras pequenas e temporárias, "concentrando-se em espécies de árvores economicamente valiosas, como palmeiras, criando uma espécie de 'supermercado pré-histórico' de úteis produtos florestais", destacou o estudo publicado na publicação científica americana Proceedings of the National Academy of Sciences.

O estudo se baseou em técnicas inovadoras usadas para reconstruir cerca de 6.000 anos de histórico da vegetação e de fogo ao redor de dois sítios, contendo geoglifos.

Watling, que realizou a pesquisa enquanto estudava na Universidade de Exeter, na Grã-Bretanha, disse que as descobertas mostram que a região não foi intocada pelos humanos no passado, contrariando a crença popular.

"Nossa evidência de que as florestas amazônicas foram manejadas por povos indígenas muito antes do contato com os europeus não deveria ser usada como justificativa para as formas destrutivas e insustentáveis de uso do solo praticadas hoje", acrescentou.

"Deveria, ao contrário, servir para destacar a habilidade dos regimes de subsistência no passado que não levam à degradação florestal e a importância dos povos indígenas na descoberta de alternativas mais sustentáveis para o uso do solo", concluiu.

Brasil tem registro humano mais antigo

A arqueologia brasileira é vasta em achados, com exemplares de fósseis de mais dez mil anos. Os vestígios de registro humano mais antigos foram encontrados no Parque Nacional da Serra da Capivara, localizado no Piauí, a 510 km de Teresina. O local reúne pinturas rupestres de milhares de anos. Restos de fogueiras podem ser os mais antigos da América.

Novo filme fala sobre cidade perdida na Amazônia

Neste ano, estreia nos cinemas o filme "The Lost City of Z". A obra conta a história real do explorador britânico Percy Fawcett, que viaja para a Amazônia no século 20 e descobre evidências de uma civilização avançada desconhecida que pode ter habitado a região. Veja abaixo o trailer (em inglês). 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos