Francesa CNR estudará possibilidades para a navegação no rio Paraná

Lyon, 25 Nov 2017 (AFP) - A empresa francesa Compagnie Nationale du Rhône (CNR), que concebeu as eclusas para o Canal do Panamá, anunciou a assinatura de um protocolo de estudo para permitir a navegação no rio Paraná, impedida pela barragem de Itaipu na fronteira entre Brasil e Paraguai.

O protocolo prevê ações em termos de engenharia e reforço das capacidades no projeto de eclusas, bem como a futura conclusão das obras de navegação, informou a empresa francesa em um comunicado.

O acordo foi assinado entre Elisabeth Ayrault, presidente da CNR, e James Spalding, gerente geral paraguaio da Itaipu Binacional.

A barragem e a central hidrelétrica de Itaipu foram construídas por Brasil e Paraguai entre 1975 e 1982. Esta represa constitui um obstáculo para a via navegável do Paraná (quase 4.000 km) e seus afluentes, o que poderia ser contornado por meio de um canal de navegação e um sistema de eclusas.

Especializada em engenharia hidroelétrica e fluvial, a CNR realizou, entre outros, estudos sobre a concepção das eclusas do Canal do Panamá e a gestão sustentável do curso principal do Mekong (Laos, Camboja, Vietnã, Tailândia).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos