Risco de intoxicação de cães por chocolate cresce no Natal, dizem cientistas

Em Paris

  • iStock

O Natal é um período arriscado para os cães, com um acesso mais fácil a chocolate, tóxico para eles, alertaram nesta quinta-feira (21) cientistas britânicos.

"Os donos de cães precisam estar conscientes do risco mais alto, especialmente durante a temporada de festas de fim de ano (e, em menor medida, Páscoa), onde o chocolate se torna mais acessível em casa", apontam os pesquisadores da universidade de Liverpool.

Para o "melhor amigo do homem", o inimigo se chama teobromina, uma substância amarga encontrada nos grãos de cacau.

Provoca vômitos, diarreia e até palpitações, convulsões, batimentos cardíacos irregulares e, em casos mais graves, sangramento interno e ataques cardíacos.

De acordo com dados coletados de 229 centros veterinários do Reino Unido entre 2012 e 2017, o risco de intoxicação por chocolate é quatro vezes maior no Natal e duas vezes maior na Páscoa do que no resto do ano.

Os cães comeram de caixas de chocolate, pedaços de bolo, figurinhas (Papai Noel, coelhos, etc.), calendários ou decorações de natal.

Os pesquisadores isolaram 375 animais afetados pelo problema. É mais comum em cães jovens (menores de 4 anos) do que em cães mais velhos, mas não em uma raça mais do que em outras.

O chocolate também é tóxico para os gatos, mas eles parecem menos tentados.

Se os sintomas aparecem em um cachorro que pode ter comido chocolate há quatro ou cinco horas, a rede farmacêutica Giphar recomenda, em seu site, levá-lo ao veterinário, deixando-o calmo e abaixando a temperatura com uma toalha úmida na parte de trás do pescoço.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos