2017 foi o ano mais caro para os EUA em catástrofes naturais

Washington, 8 Jan 2018 (AFP) - Os prejuízos financeiros com catástrofes naturais nos Estados Unidos foram os mais altos da história em 2017, um ano marcado por sua série de incêndios e furacões que levaram a um custo de 306 bilhões de dólares, de acordo com um informe do governo americano divulgado nesta segunda-feira.

Em 2017, um total de 16 desastres naturais custaram a vida de menos 362 pessoas, afirmou o documento da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA).

No entanto, esse balanço poderia aumentar significativamente quando Porto Rico terminar sua revisão de número de mortos pelo furacão María, disseram os especialistas.

Até então, o ano mais caro para o governo americano tinha sido 2005, quando teve prejuízos de US$ 215 bilhões, em sua maioria devido aos furacões Katrina, Wilma e Rita.

As perdas milionárias geradas pela passagem das tempestades tornaram a temporada de furacões de 2017 a mais cara já registrada, com 265 bilhões.

O furacão Harvey, que produziu fortes inundações no Texas, custou 125 bilhões de dólares, superado apenas pelo furacão Katrina em 2005, de acordo com os registros históricos de desastres milionários, realizado há quatro décadas.

O furacão Maria, que devastou grande parte de Porto Rico, custou 90 bilhões, enquanto o furacão Irma, que atingiu o Caribe e a Flórida, custou 50 bilhões.

"O furacão Maria agora é o terceiro desastre climático e meteorológico mais caro já registrado no país, e o Irma é o quinto", acrescentou o informe da NOAA.

A temporada de incêndios florestais no oeste, que arrasou boa parte da Califórnia, custou 18 bilhões de dólares, "triplicando o recorde anual do custo de incêndios florestais nos Estados Unidos", detalhou o informe do organismo.

A NOAA disse que o número de catástrofes em 2017 com perdas da ordem de bilhões de dólares (16 no total) empatou o recorde de 2011 da maior quantidade em um ano.

Estas catástrofes foram dois eventos de inundações, um de geadas, oito de tempestades severas, três tempestades tropicais, uma seca e um incêndio florestal.

Os custos incluem estimações de perdas asseguradas e não asseguradas, mas é provável que estejam abaixo dos valores reais porque não incluem os custos de atendimento médico.

- Recorde de calor -O ano passado também foi o terceiro mais quente registrado nos Estados Unidos, depois de 2012 e 2016. Todos os estados do país em seu território principal e no Alasca tiveram temperaturas acima da média pelo terceiro ano consecutivo.

Cinco estados registraram seu ano mais quente: Arizona, Geórgia, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Novo México.

"O sinal a longo prazo está relacionado com o aquecimento global a longo prazo", disse Deke Arndt, chefe da seção de monitoramento dos Centros Nacionais de Informação Ambiental da NOAA.

No entanto, essa tendência ao aquecimento não descarta a probabilidade de fortes tempestades de inverno. "Vivemos em um mundo em aquecimento, mas ainda temos frios muito frios", disse aos jornalistas em uma conferência telefônica. "Ainda vamos ver manchas azuis no mapa".

Apesar dos picos de frio em várias partes do país durante todo o ano, as temperaturas acima da média em outras épocas do ano "compensaram as condições frias sazonais", acrescentou o informe.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos