Nassa lança missão para descobrir se estamos sozinhos no Universo

Tampa, Estados Unidos, 16 Abr 2018 (AFP) - A nova missão da Nasa de busca de planetas, pronta para ser lançada nesta segunda-feira, visa a avançar na tentativa de encontrar vida extraterrestre, fazendo uma varredura nas proximidades da galáxia por planetas semelhantes à Terra.

Espera-se que o satélite de investigação Transiting Exoplanet, ou TESS, decole às 18h32 hora local (19H32 no horário de Brasília) a bordo de um foguete Falcon 9 da SpaceX a partir de uma plataforma de lançamento de Cabo Canaveral, Flórida.

Com um custo total de 337 milhões de dólares, o aparelho espacial - do tamanho de uma máquina de lavar - foi projetado para procurar sinais de atenuação periódica da luz nas estrelas mais próximas e mais brilhantes. Esses sinais, conhecidos como "trânsitos", podem significar que há planetas em órbita ao redor delas.

A expectativa é que o TESS revele cerca de 20.000 planetas além do nosso sistema solar, conhecidos como exoplanetas, indicou a Nasa.

Suas descobertas serão estudadas em profundidade por telescópios terrestres e espaciais em busca de sinais de habitabilidade, como terrenos rochosos, tamanho semelhante ao da Terra e uma distância do Sol que permita uma temperatura compatível com a água líquida.

A Nasa também prevê que o satélite pode encontrar mais de 50 planetas do tamanho da Terra e até 500 planetas com menos de duas vezes o tamanho da Terra.

O TESS irá explorar muito mais espaço cósmico do que o seu antecessor, o Telescópio Espacial Kepler, que foi lançado em 2009 e que abrangeu 85% dos céus.

"TESS está equipado com quatro câmeras muito sensíveis que poderão monitorar praticamente todo o céu", declarou George Ricker, chefe de pesquisa do TESS no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

"Isso é aproximadamente 20 vezes mais do que a missão Kepler era capaz de detectar".

- Kepler vs. TESS -Kepler, a primeira missão de caça a planetas do tipo, "foi lançado para responder a uma única pergunta: É comum um planeta como a Terra em torno de uma estrela como o Sol?", explicou Patricia Boyd, diretora do programa de pesquisadores convidados do TESS no Goddard Spaceflight Center da Nasa.

"Ele foi projetado para observar 150.000 estrelas em um campo de visão razoavelmente amplo, sem piscar, por quatro anos", disse a repórteres na véspera do lançamento.

"Uma das muitas coisas surpreendentes que Kepler nos informou é que os planetas estão em toda parte e existem todos os tipos de planetas".

"TESS é o próximo passo. Se houver planetas por toda parte, então é hora de encontrarmos os planetas que estão mais próximos de nós, orbitando estrelas próximas brilhantes, porque estes seriam a base do sistema".

TESS e Kepler usam o mesmo sistema de detecção de trânsitos planetários, isto é, sombras projetadas quando passam em frente à sua estrela.

Enquanto Kepler confirmou cerca de 2.300 exoplanetas e milhares de outros candidatos potenciais, muitos estavam distantes demais e pouco iluminados para continuar estudando.

Com o satélite Kepler quase sem combustível e atingindo o final de sua vida útil, TESS pretende assumir a tarefa na busca focando mais de perto os planetas a dezenas ou centenas de anos-luz de distância.

"TESS vai aumentar radicalmente o número de planetas que temos para estudar", disse Ricker. "O número vai duplicar em relação ao visto e detectado pelo Kepler".

Espera-se que os primeiros dados do TESS sejam divulgados em julho. A Nasa argumenta que os cidadãos astrônomos podem ajudar a estudar os planetas em busca de sinais de possível habitabilidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos