Topo

Nova espécie de macaco com juba é encontrada na África

Habitat em área limitada de espécie pode representar potencial ameaça - BBC
Habitat em área limitada de espécie pode representar potencial ameaça Imagem: BBC

13/09/2012 08h26

Uma nova espécie de macaco foi encontrada na África. É apenas a segunda espécie de primata a ser identificada em 28 anos, de acordo com cientistas. O primata foi descoberto na República Democrática do Congo, onde ele é conhecido como "lesula".

Dois rios, o Congo e o Lomani, separam o habitat da espécie de seus dois primos mais próximos. Ambientalistas afirmam que a descoberta ressalta a necessidade de proteger a vida selvagem na Bacia do Congo. Ela foi divulgada na publicação científica especializada on-line Public Library of Science.

Engaiolado

O primeiro contato que cientistas tiveram com o macaco foi quando eles encontraram uma fêmea jovem, mantida em uma gaiola por um professor de escola primária, na cidade de Opala. O animal agora está sob cuidados de um instituto especializado e sendo monitorado por cientistas.

Seis meses depois de encontrar o animal preso, especialistas conseguiram achar outros primatas da espécie no ambiente selvagem. "Quando demos início às nossas investigações, não sabíamos o quão importante do ponto de vista biológico seriam as nossas descobertas", afirma John Hart, da Fundação Lukuru, que comandou o projeto. ''Não esperávamos encontrar uma nova espécie, especialmente entre um grupo tão conhecido como os macacos guenon africanos'', acrescenta o pesquisador.

No documento que descreve os animais, os cientistas detalharam seus traços distintos: "Uma juba de longos fios loiros rodeando um rosto pálido e nu com um focinho com uma faixa cor de creme vertical''.

Rosto peculiar

O rosto desnudo do lesula é diferente do rosto negro e peludo do parente mais próximo do animal. O primata ganhou o nome científico de Cercopithecus lomamiensis, em homenagem ao rio Lomani, que fica na região de seu habitat natural.

Os pesquisadores acreditam que o animal viva em uma área de cerca de 17 mil quilômetros quadrados na região central da República Democrática do Congo.

Os especialistas temem que, devido ao fato de a espécie viver concentrada em uma mesma região, ela poderia estar mais ameaçada por ações predatórias, como a prática da caça para usar sua carne como alimento.

O antropólogo Andrew Burrell, da Universidade de Nova York, disse à BBC que "a descoberta pode representar talvez a primeira desta floresta notável, mas pouco conhecida na parte central da República Democrática do Congo, uma região de grande diversidade de primatas".

Notícias