Topo

Descoberta 'triplica' número de exocometas conhecidos

O primeiro cometa fora do Sistema Solar foi achado pelos astronômos em 1987 em torno da estrela Beta Pictoris (ilustração) - Divulgação
O primeiro cometa fora do Sistema Solar foi achado pelos astronômos em 1987 em torno da estrela Beta Pictoris (ilustração) Imagem: Divulgação

09/01/2013 11h17

A descoberta de um novo grupo de cometas que orbitam estrelas distantes, anunciada na reunião semestral da Sociedade Astronômica Americana, quase triplica o número desses corpos celestes conhecidos. 

O primeiro chamado "exocometa" foi descoberto em 1987, mas, desde então, apenas outros três haviam sido encontrados. Mas, no evento realizado nesta semana na Califórnia, o astrônomo norte-americano Barry Welsh deu detalhes sobre mais sete desses cometas.

A possibilidade de provar que os cometas são comuns no Universo tem implicações sobre seu possível papel de levar água ou até mesmo partículas que podem gerar vida aos planetas.

Corpos celestes como o Cometa Halley, que faz um caminho longo e elíptico, passando perto do Sol a cada 75 anos, são conhecidos pelas longas caudas de gás e detritos que aparecem quando eles se aproximam de suas estrelas hospedeiras. Foram essas caudas que Welsh e sua colaboradora Sharon Montgomery mediram, usando imagens do Observatório McDonald, no Texas.

As caudas dos exocometas absorvem uma pequena fração da luz de suas estrelas hospedeiras - e a absorção muda com o tempo, conforme os cometas aceleram ou desaceleram. Com uma observação paciente, a dupla verificou a existência de sete novos cometas fora do Sistema Solar.

'Sobras'

No Sistema Solar, muitos cometas vêm do cinturão de Kuiper, um disco de detritos localizado além da órbita de Netuno, e da nuvem de Oort, um disco de detritos ainda maior e mais distante. Welsh explicou que esses discos são "sobras" características da formação de planetas.

"Imagine um 'canteiro de obras cósmico' onde a construção já terminou - os planetas", disse ele à BBC. "Estamos olhando o que sobrou - os tijolos, o concreto, os pregos - os discos de detritos têm cometas, planetesimais (pequenos corpos celestes gerados com a aglutinação de poeira cósmica) e asteroides", explica.

Mas algo precisa perturbar a órbita dos cometas para colocá-los na direção de sua estrela hospedeira. Apesar de colisões entre cometas serem capazes disso, acredita-se que a gravidade dos planetas próximos fazem esse trabalho.

De fato, em 1987, quando o primeiro exocometa foi observado em torno da estrela Beta Pictoris, surgiu a hipótese de que um planeta podia ser responsável por sua órbita e, em 2009, um planeta gigante foi encontrado por lá.

Construção de planetas

Nos últimos anos tem havido um foco maior sobre os exoplanetas (planetas que estão fora do Sistema Solar), com o anúncio de 461 novos candidatos a planetas e a possibilidade da existência de bilhões desses corpos com tamanho semelhante ao da Terra.

O novo estudo ajuda a esclarecer a relação entre esses planetas e os discos de detritos de seus locais de origem. Isso pode ajudar também a compreensão da formação do nosso próprio Sistema Solar.

"Parece que o processo de construção de planetas é muito semelhante em muitos casos, e para provar isso você precisa olhar não somente o produto final, mas também as coisas das quais eles são feitos", observa Welsh.

A descoberta de mais e mais cometas também aumenta a possibilidade de que cometas tenham um papel importante no transporte de materiais.

"Há duas teorias: uma é de que os cometas antigos no nosso Sistema Solar levaram gelo aos planetas e que esse gelo derreteu e formou os oceanos", relata Welsh. "A outra, talvez um pouco mais rebuscada, é que as moléculas orgânicas nos cometas eram as sementes da vida nos planetas. E se os cometas são tão comuns em todos os sistemas planetários, então talvez a vida também seja", diz.

Mais Notícias