O belga que quer revolucionar favelas brasileiras com energia solar

Rodrigo Pinto - BBC Brasil

O sonho de Pol Dhuyvetter é tornar as favelas independentes das concessionárias de energia elétrica. Isso explica por que ele está à frente da primeira cooperativa de geração de energia solar do Brasil, localizada no Morro da Babilônia, no Rio de Janeiro.

Batizada Revolusolar, a cooperativa já conta com dois estabelecimentos locais - dois albergues -, que não só usam energia solar como a vendem para a Light durante o dia, quando a produção é maior do que o consumo.

  • 'No Brasil, você faz melhores amigos por uma noite': o maestro americano da Orquestra Sinfônica Brasileira
  • Ricos do Brasil 'matariam a mãe' por green card, diz britânico que abriu clube de jazz em favela

Em breve, Dhuyvetter, que também mora na Babilônia, espera cobrir com painéis o centro comunitário e o posto de saúde locais.

"Os moradores decidirão qual o preço e o que fazer com o lucro obtido pela cooperativa", diz o belga, que chegou à Babilônia depois de tentativas frustradas de alugar um apartamento em Copacabana sem fiador.

Tarifas altas

Dhuyvetter lembra que atualmente a tarifa de energia no Brasil está entre as mais caras do mundo. De acordo com dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio, o preço é 46% superior à média internacional.

Segundo o belga, o projeto na Babilônia servirá de piloto para outras comunidades no Brasil.

No mês passado, Dhuyvetter foi convidado a explicar o projeto na Câmara dos Deputados.

"Os representantes do governo ficaram entusiasmados", diz.

A história de Pol Dhuyvetter encerra a série #Olhares, na qual a BBC Brasil trouxe depoimentos de estrangeiros sobre o Brasil durante os Jogos Olímpicos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos