Satélite identifica possível local de queda de sonda em Marte

Jonathan Amos

  • NASA/JPL-CALTECH/MSSS/ESA

    A mancha negra e o borrão branco, ampliados na imagem da direita, podem ser a sonda e seu paraquedas

    A mancha negra e o borrão branco, ampliados na imagem da direita, podem ser a sonda e seu paraquedas

Um satélite americano registrou a uma imagem de um sulco na superfície de Marte que pode ter sido feito pela sonda europeia Schiaparelli ao atingir o solo do planeta na quarta-feira (19).

O satélite de reconhecimento de Marte MRO identificou uma marca grande e escura na região onde o robô deveria ter pousado. A imagem é compatível com um impacto provocado por um objeto em alta velocidade.

Acredita-se que a Schiaparelli tenha se destruído na queda.

Dados transmitidos pela sonda antes de perder contato indicam que os sistemas de descida não estavam funcionando corretamente.

O paraquedas da sonda foi acionado muito cedo e os foguetes instalados no robô para fazê-lo perder velocidade e pairar sobre a superfície funcionaram apenas por poucos segundos. Eles deveriam ter funcionado por, no mínimo, 30 segundos.

A imagem gerada pelo satélite MRO não é uma prova definitiva porque a imagem tem baixa resolução - seis metros por pixel. Mas inserida no contexto, a imagem é convincente.

A marca no solo tem aproximadamente 15m por 40m, e é provavelmente formada por poeira e fragmentos de rocha provocados pelo impacto. Ela fica a cerca de 5,5 km do local onde esperava-se que a sonda tocasse o solo.

A evidência definitiva de que a mancha da foto é realmente a sonda pode ser um artefato encontrado um quilômetro a sul do sulco. O borrão branco parece ser o paraquedas de 15 metros de comprimento da sonda.

Tanto a mancha escura como o borrão branco não estavam lá em imagens anteriores daquela região.

NASA/JPL-CALTECH/MSSS/ESA
Equipamentos da sonda falharam durante descida até a superfície
 A ESA (agência espacial europeia) e a Nasa (agência espacial americana) dizem acreditar que os elementos retratados na imagem representem o cenário do contato da sonda Schiaparelli com a superfície.

Engenheiros continuam analisando a telemetria transmitida pela sonda ao longo de várias fases da descida - até a interrupção do contato por rádio 50 segundos antes do horário previsto para o pouso.

Eles querem constatar de forma precisa a razão do paraquedas e dos propulsores terem funcionado de forma diferente à prevista. Eles pretendem saber também a que altura o evento ocorreu.

Ou seja, os cientistas buscam identificar o período da descida em que a sonda entrou em queda livre e com qual velocidade atingiu o solo - estima-se que foi a mais de 300km/h.

O satélite MRO produzirá mais fotografias na semana que vem, dessa vez com uma câmera de alta resolução.

A Schiaparelli integra o programa ExoMars, da Esa - um projeto em parceria com a Rússia - que visa descobrir vida (ou indícios de vida no passado) no planeta vermelho.

O robô de 600 quilos era o primeiro passo do processo de aquisição de conhecimentos para tentar mandar a Marte um veículo mais complexo, de seis rodas, em 2021.

O veículo futuro vai usar parte da mesma tecnologia da sonda Schiaparelli, inclusive os aparelhos que deveriam medir a velocidade e a distância da superfície durante a descida - além de equipamentos de navegação e controle de algoritmos.

O diretor-geral da Esa, Jan Woener, disse que o fato da sonda ter transmitido 80% dos dados de telemetria de sua descida já fazem dela um sucesso, independentemente do que tenha ocorrido nos últimos segundos.

"Isso significa que vamos obter informações de uma análise detalhada dos dados que a Schiaparelli foi projetada para transmitir, especialmente em relação a sistemas como o escudo de calor, o paraquedas, o radar, os propulsores e daí em diante", escreveu ele em seu blog.

"Essas informações podem ser usadas para projetar a missão Exomars (de 2021), uma vez que a sobrevivência do módulo será um feito científico de relevância", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos