Topo

Planta que a China conseguiu germinar na Lua morre após oito dias

AFP/CHONGQING UNIVERSITY
Planta germinada na lua morreu na noite lunar Imagem: AFP/CHONGQING UNIVERSITY

2019-01-17T12:46:05

17/01/2019 12h46

Broto de algodão não sobreviveu à noite lunar, que dura até duas semanas (no tempo da Terra) e cujas temperaturas podem cair a -170 graus Celsius.

Pouco mais de oito dias. Exatamente, 212 horas. Esse foi o tempo de vida da primeira planta a germinar na Lua, um broto de algodão. A germinação foi considerada um marco na exploração espacial.

O feito havia sido obtido pela missão chinesa Chang'e-4, uma sonda não tripulada, a primeira a pousar e explorar o lado oculto da Lua, aquele que não pode ser visto do nosso planeta. Como a rotação da Lua é sincronizada com seu movimento de translação ao redor da Terra, esse lado está sempre posicionado de costas para nosso planeta.

A planta havia germinado a partir de sementes levadas pela sonda e estava vivendo em um recipiente especial.

O Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista, tuitou uma imagem da semente germinada, dizendo que era "a conclusão do primeiro experimento biológico da humanidade na Lua". Já haviam sido cultivadas plantas na Estação Espacial Internacional (que orbita a Terra), mas nunca na Lua.

Mas o broto de algodão não sobreviveu à noite lunar, que dura até duas semanas (no tempo da Terra) e cujas temperaturas podem cair a -170 graus Celsius. Durante esse período noturno, toda a sonda chinesa entra em modo de hibernação, para poupar energia.

Não foi um erro ou um fracasso, pelo contrário, já estava previsto que isso poderia ocorrer. O professor Xie Gengxin, da Universidade Chongqing, que liderou o planejamento do experimento, afirmou a um jornal chinês que sua equipe já havia antecipado que a planta teria uma vida curta.

Outros experimentos

Além de sementes de algodão, a sonda chinesa levou para a Lua sementes de batata e arabidopsis - uma planta da família da mostarda, usada em experimentos de botânica - e ovos de moscas de fruta.

A expectativa era criar um microecossistema, em que as plantas produziriam oxigênio, necessário para as moscas. Essas, por sua vez, produziriam dióxido de carbono, necessário para a fotossíntese.

Durante a noite lunar, era esperado que as temperaturas dentro desse microecossistema caíssem abaixo dos 52 graus Celsius negativos. Nessas condições, os organismos entrariam "em estado de congelação", disse a universidade chinesa, em um comunicado na terça-feira. Já à medida que as temperaturas voltassem a aumentar, no próximo mês, os organismos poderiam se "decompor lentamente".

"Alguns dos resultados (dos experimentos) excederam nossas expectativas", explicou Xie Gengxin para a TV estatal chinesa.

Por que isso é importante?

A capacidade de cultivar plantas na Lua é vista como essencial para as missões espaciais tripuladas com longa duração, pois isso significaria que os astronautas poderiam potencialmente cultivar sua própria comida no espaço, reduzindo a necessidade de voltar à Terra para reabastecer. Seria o caso de viagens a Marte, por exemplo, que podem levar até dois anos para chegar até o destino.

Mais Astronomia