Topo

'Após perder 13 bebês, uma técnica pioneira me trouxe minha filha' 

2019-06-14T14:21:32

14/06/2019 14h21

Especialista em fertilidade descobriu que Laura Worsley, de 35 anos, tinha duas condições que afetavam sua capacidade de ter filhos.

Uma mulher que sofreu 13 abortos espontâneos deu à luz uma menina após ser submetida a um tratamento pioneiro de fertilidade.

Onze gestações de Laura Worsley, de 35 anos, terminaram no primeiro trimestre, mas ela também perdeu dois meninos quando estava na 17ª e 20ª semana de gravidez.

Até que a professora Siobhan Quenby, especialista em fertilidade, descobriu que ela tinha duas condições que afetavam sua capacidade de ter filhos.

Laura e o marido Dave, de Kenilworth, na Inglaterra, tentaram pela 14ª vez e, com a ajuda de Quenby e sua equipe, tiveram uma filha chamada Ivy.

"Até agora, nove meses depois, não posso acreditar que ela é minha de verdade", diz Laura.

O casal sofreu o primeiro aborto espontâneo em 2008. E quando aconteceu pela terceira vez, os dois perceberam que havia algo errado.

Os médicos aconselharam Laura e Dave a continuar tentando, mas, depois que a quarta gravidez fracassou, eles foram encaminhados para uma consulta com Quenby no Hospital Universitário de Coventry, na Unidade de Pesquisa Biomédica de Warwickshire.

E descobriram que Laura tinha síndrome antifosfolipídica, também conhecida como "síndrome do sangue pegajoso", que pode causar perdas recorrentes de gravidez.

"Fomos informados de que uma dose alta de ácido fólico poderia resolver, mas isso não aconteceu", conta Laura, cujas gestações não avançavam além de algumas semanas.

"Nós participamos de estudos, fizemos todos os exames e tentamos medicamentos diferentes, esperando que algo funcionasse."

Duas gestações chegaram a passar de 12 semanas, mas o casal acabou perdendo ambos os bebês, Graceson e Leo, em 2015 e 2017.

"Não sei como lidei com tudo isso, para ser honesta."

"Dave ficou forte por mim, mas quando perdemos os meninos, ele teve muita dificuldade."

"Eu vivia para isso - perdi anos da minha vida. Só pensava que, se não pudesse ter um bebê, não via sentido na minha vida", acrescentou.

'Última vez'

A placenta da gestação de Leo foi examinada, e os resultados mostraram que Laura também tinha Intervilosite Histiocítica Crônica (CHI, na sigla em inglês), que faz com que o corpo combata a gravidez.

"Estava fazendo minha placenta morrer", afirmou.

"Não tinha certeza se queria tentar novamente. Mas Quenby disse que tinha ajudado outras mulheres (com essa condição) com sucesso."

"Pensei que se restava um pouco de esperança, eu precisava tentar novamente. Falei com Dave, e ele achou o mesmo."

"Disse a mim mesma que era a última vez que faria isso."

Após usar uma medicação para melhorar o revestimento do útero de Laura, o casal concebeu naturalmente pela 14ª vez.

Expectativa e tensão

Segundo Quenby, eles usaram esteróides para conter o sistema imunológico de Laura e permitir que a gravidez progredisse além de 24 semanas, quando os bebês passam a ter maior chance de sobreviver.

A medicação ajudou a impedir seu sangue de coagular.

"Os esteróides têm efeitos colaterais", explicou Quenby. "Mas nós decidimos que valeria mais uma tentativa."

Após tantas decepções, Laura e Dave disseram que não ousavam sonhar que essa gravidez daria certo.

"Não contamos a ninguém. Foi a coisa mais difícil de se manter em segredo, mas também a coisa mais difícil de compartilhar. Só ficava pensando que, se contássemos às pessoas, daria azar", relembra Laura.

Com 30 semanas de gestação, Laura estava deitada na cama quando sua bolsa estourou.

Ivy nasceu de cesariana, enquanto Laura estava sob anestesia geral. Ela tinha apenas 700 gramas.

E foi levada imediatamente para uma incubadora neonatal na unidade de tratamento intensivo.

"Meu marido viu ela primeiro. E me mostrou uma foto quando acordei."

Foram três dias até que pudessem pegá-la no colo.

Eles foram avisados que Ivy poderia desenvolver sepse, mas a recém-nascida só prosperava.

"Ela é uma lutadora, eu pensava. Ela continuava evoluindo o tempo todo, nunca regrediu."

Já Quenby levou dois meses até tomar coragem para visitar Ivy no hospital.

"Fiquei contente que ela estava aqui, mas não suportaria vê-la até saber que estava bem. Pedia às enfermeiras para irem vê-la para mim, estava com muito medo".

Após 11 semanas no hospital, incluindo um tratamento para bronquiolite, Ivy teve alta.

Ela tem agora nove meses, e o caso de Laura virou um exemplo mundial de como mulheres que apresentam as mesmas condições dela podem ter gestações bem-sucedidas.

"Eu olho para ela e penso 'milagres acontecem', diz Laura." Li sobre os milagres de outras pessoas, e agora tenho o meu."

"O caso de Laura vai beneficiar pessoas em todo o mundo", avalia Quenby.

"Muitas na situação dela teriam desistido, mas ela continuou tentando."

Laura e Dave fizeram um chá de bebê para Ivy - depois que ela nasceu - e arrecadaram mais de mil libras, que foram doadas para a instituição de caridade do hospital.

"É muito importante ser capaz de fazer a diferença para qualquer outra pessoa que está passando pelo o que eu passei", completa.

"Através da minha história, quero dar aos outros a esperança e a força para continuar, mesmo quando as coisas parecem impossíveis."


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=EgrzIgDIoHI

https://www.youtube.com/watch?v=w_Jby5oodJo

https://www.youtube.com/watch?v=OfzC36k1gjo

Mais Ciência e Saúde