Topo

Holografias, "humanos digitais" e mais conexão nos videogames do futuro

20/08/2011 15h07

Carmen de Águeda.

Colônia (Alemanha), 20 ago (EFE).- Como serão os videogames no ano 2021? Os especialistas reunidos pela Sony na Gamescom de Colônia (Alemanha) se aventuraram a traçar um futuro com personagens holográficos que serão praticamente "seres humanos digitais", com mais conexão e possibilidade de interagir com o console por meio de gestos.

O presidente da divisão de entretenimento interativo da Sony, Shuhei Yoshida, acredita ser difícil estimar como serão os jogos em 10 anos, mas supões que "as pessoas querem ver nas telas seres humanos digitais, que se pareçam com eles".

Mick Hocking, o vice-presidente do grupo de estudo da companhia, disse que, partindo dessa premissa, o caminho será conseguir "que os personagens se pareçam com atores".

O exemplo que ilustra essa ideia é o videogame "L.A. Noire", que se baseia em movimentos reais de atores para criar personagens, testemunhas de crimes cujos gestos devem ser estudados pelos jogadores para saber se o que dizem é verdade.

Contudo, não só é necessário que as figuras virtuais se pareçam com pessoas reais: a interatividade por meio de sensores de movimento permitirá, segundo Yoshida, "detectar" os gestos do jogador, para saber se está triste ou alegre, e que o console possa reagir em função disso.

Se a tecnologia 3D se instalou de vez nos consoles, as melhorias neste sentido não se limitarão a que vários jogadores possam interagir de diferentes ângulos da tela e continuar apreciando o efeito estereoscópico, algo que segundo estes especialistas será em breve, mas o próximo passo, em 10 anos, seria as holografias.

"Será útil para transmitir essa sensação de que os personagens falam diretamente com o jogador", afirma Yoshida, ao que Hocking acrescenta que os avanços na tecnologia holográfica permitirão que os objetos do jogo e os personagens saiam da tela "e que possam ver a seu redor".

O que parece não ter retorno é a conexão dos jogos com redes sociais, algo que para Yoshida "está acontecendo naturalmente" e que segundo Mark Cerny, outro especialista presente no debate e criador de títulos como "MotorStorm", "em um mundo com Facebook, o modo de jogo desligado será impensável dentro de três anos".

À margem dos avanços tecnológicos e de conexão que sobrevirão à indústria do videogame na próxima década, os especialistas que participaram do encontro "Sony PlayStation: 2021" vão discutir sobre outras questões como os argumentos e os temas das novidades.

Para Hocking, sagas como "Uncharted" demonstram que o caminho dos jogos está "nas tramas cinematográficas. Os jogos serão quase filmes não só pelo realismo das imagens, mas também pelas tramas e a capacidade de despertar emoções nos jogadores".

Game designers como Kellee Santiago e Gareth Edmonson concordam que os temas dos jogos são muitas vezes condicionados pelo risco econômico que representa assumir um projeto que foge do típico jogo de ação, mas permitem uma maior acessibilidade por meio de sensores de movimento.

Yoshida não revelou nada sobre a estratégia da Sony neste sentido, mas sua opinião não pôde ser mais clara: "Eu também quero menos 'Call of Duty' e mais 'Heavy Rain'. Fazem falta mais jogos que te façam pensar e sentir".