Topo

Redes sociais recebem enxurrada de vídeos e mensagens sobre queda de meteoro

2013-02-15T14:45:00

15/02/2013 14h45

Moscou, 15 fev (EFE).- Inúmeros vídeos e depoimentos sobre a queda do meteoro chamado de "Bólido de Chelyabinsk" na região dos montes Urais, na Rússia, foram compartilhados nesta sexta-feira nas redes sociais.

"Estava sentado de costas para a janela quando um clarão me cegou durante alguns segundos", explicou à Agência Efe Danila Afanasiev, moradora da cidade de Chelyabinsk.

No mesmo instante, Danila pegou a câmera e começou a tirar fotos do rastro deixado pelo corpo astral no céu, acrescentou.

Quatro minutos após ver o clarão, a testemunha publicou as fotos na internet e ouviu uma explosão que estremeceu todo o bairro.

"A janela estava aberta. Deve ter sido por isso que não quebrou. Em frente à minha casa, muitas janelas e portas da varanda quebraram em mil pedaços", lembrou.

Uma usuária do portal "Leprosorium" que mora na cidade de Yekaterimburgo, a 200 quilômetros de Chelyabinsk, confessou que se surpreendeu com uma repentina luz no céu, habitualmente escuro durante as manhãs de inverno.

"Pensei que estava tendo uma alucinação", escreveu.

Marina Laub, usuária da maior rede social da Rússia, a Vkontakte, disse: "Moro na cidade de Miass (região de Chelyabinsk). Quando ainda estava escuro de manhã, houve um clarão como se tivessem sido acesos centenas de fogos".

Marina se assustou e tentou entrar em contato com seus parentes, mas não conseguiu porque a rede de telefonia celular estava fora de serviço devido à onda explosiva na região.

Muitos usuários da internet aproveitaram a ocasião para mostrar bom humor. Montagens mostram o meteoro no céu com o formato de um dos passarinhos do famoso jogo "Angry Birds", ou com o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

O meteoro caiu a cerca de 80 quilômetros da cidade de Satka, no distrito de mesmo nome, por volta de 1h20 (horário de Brasília), mas a onda expansiva afetou várias regiões próximas até o Cazaquistão.

Até o momento, as autoridades locais informaram sobre aproximadamente mil feridos, em sua maioria estilhaços de vidro.

Mais Ciência e Saúde