Topo

Cientistas argentinos conseguem estender em 50% a vida útil dos morangos

2013-08-05T15:27:00

05/08/2013 15h27

Buenos Aires, 5 ago (EFE).- Cientistas argentinos conseguiram estender em 50% a vida útil dos morangos ao tratá-los com um conservante natural que desenvolveram a partir da carapaça dos camarões, informaram nesta segunda-feira responsáveis pela pesquisa à Agência Efe.

O sabor, a umidade, a vitamina C e demais características dos morangos podem durar até 50% mais graças a um conservante natural desenvolvido por pesquisadores do Instituto Nacional de Tecnologia Industrial (Inti) da província de Buenos Aires.

"Conseguimos estender a vida útil pós-colheita dos morangos por meio de um recobrimento de quitosana, um conservante natural que obtivemos da casca dos camarões", explicou o engenheiro químico Fernando Bollini, do Inti, à Efe.

A quitosana, um biopolímero sem toxicidade, biocompatível e naturalmente degradável com atividade antimicrobiana, antiviral e antifúngica, tem a capacidade de diminuir a deterioração dos frutos, permitindo assim um maior tempo de armazenamento.

Além disso, Bollini explicou que decidiram trabalhar com os morangos porque é uma fruta perecível e porque era importante estender sua vida útil já que têm uma rápida degradação.

Cerca de 40% dos morangos que estão no mercado argentino são descartados por má aparência e pela deterioração provocada pelos microorganismos.

"Viemos trabalhando nisto há alguns anos, a produção da quitosana já a temos armada, o objetivo é depois aplicá-la a outras frutas e verduras", acrescentou Bollini.

O recobrimento líquido foi aplicado por meio de imersão e pulverização, mas os cientistas esclareceram que têm pensado em trabalhar inclusive antes da colheita, para assim poder estender ainda mais a vida útil das frutas e verduras.

Mais Ciência e Saúde