Topo

Remoção de proteína reprograma células adultas em células-tronco

Em Londres

18/09/2013 15h49

Uma equipe de cientistas internacionais identificou uma proteína que impede a obtenção eficiente de células-tronco dentro de um organismo vivo a partir de suas próprias células adultas, informou nesta quarta-feira (18) artigo publicado na revista britânica "Nature".

Seguindo a mesma linha de recentes pesquisas sobre células-tronco, esta descoberta do Instituto de Ciência de Weizmann, de Israel, feita em um estudo em cobaias, representa mais um passo para a medicina regenerativa ao facilitar a obtenção de células-tronco pluripotentes (iPS).

Trata-se das únicas células-tronco capazes de serem criadas a partir das células do mesmo paciente - com o que se evitaria a rejeição imunológica - e de se transformar depois em qualquer outra classe de células do organismo humano.

Embora a obtenção deste tipo de células seja cada vez mais factível, assim como explicou o chefe da pesquisa, o médico Jacob Hanna, "os processos atuais continuam sendo ineficientes, porque só conseguem transformar uma pequena porção das células", fato que motivou essa tentativa de aprimorar o processo.

Os cientistas israelenses começaram detectando aqueles fatores implicados na conversão de células maduras em células-tronco pluripotentes dentro de cobaias e descobriram que existia uma proteína que, ao tempo que estava implicada no processo, inibia sua conversão eficiente.

Esta proteína, chamada Mbd3, participa do processo pelo qual as células-tronco transformam a informação necessária para seu posterior desenvolvimento e funcionamento.

Após vários testes em cobaias, no entanto, a equipe israelense concluiu que, ao abolir a proteína do processo e potencializar o resto de fatores que contribuem para obtenção de células-tronco, o resultado melhorava em 90%.

"Este é um grande avanço para conseguir mais quantidades de células-tronco pluripotentes de forma segura e sem modificações genéticas", assegurou Hanna à Efe.

Embora esta pesquisa tenha sido testada somente com células da pele, do sangue e do cérebro de cobaias, a equipe de cientistas assegurou que os resultados poderiam ser equivalentes se aplicados em pessoas.

"Agora podemos controlar muito melhor o destino das células de acordo com nossa vontade", apontou o chefe da pesquisa.

Depois de mais de dois anos de estudos para chegar nestes resultados, o seguinte passo para estes cientistas é encontrar a forma de separar a proteína do processo.

"Queremos desenvolver pequenas moléculas químicas que inibam a Mbd3 e também compreender sua atividade bioquímica", concluiu Hanna.

As células-tronco, por ser capazes de se transformar em qualquer tipo de célula no organismo, supõem uma esperança para cura de doenças como o alzheimer, parkinson e diabetes.

Mais Notícias