Sonda espacial chinesa volta à Terra após orbitar a Lua com sucesso

Em Pequim

  • Zhang Ling/Xinhua

    Cientistas chineses inspecionam sonda espacial após seu retorno à Terra

    Cientistas chineses inspecionam sonda espacial após seu retorno à Terra

A sonda lunar chinesa lançada na sexta-feira da semana passada retornou neste sábado à Terra com sucesso, a primeira missão não tripulada que o país asiático realiza à Lua e com a qual se transforma na terceira nação a fazê-lo, após Estados Unidos e Rússia.

O veículo experimental, que apesar de não ter nome oficial foi apelidado como "Xiaofei" nas redes sociais, aterrissou em Siziwang, na região autônoma da Mongólia Interior, na madrugada deste sábado, informou a agência oficial "Xinhua".

Trata-se da primeira sonda desenvolvida pela China para retornar ao nosso planeta e que tem como objetivo testar as tecnologias de retorno, como o controle da navegação e o escudo de proteção contra o calor gerado pela reentrada na atmosfera, com a intenção de pousar na Lua e retornar no futuro.

As equipes preparadas na Mongólia Interior recuperaram o equipamento na local previsto para sua aterrissagem, a cerca de 500 quilômetros de Pequim.

Lançada na sexta-feira da semana passada, a sonda chinesa atravessou 840 mil quilômetros durante sua missão de oito dias, na qual fez fotos "incríveis" de nosso planeta e da Lua, destacou a imprensa oficial.

O processo de reentrada na atmosfera começou às 6h13 (horário da China), e o veículo experimental se aproximou da Terra a uma velocidade de 11,2 quilômetros por segundo.

Durante esse processo, foram cortadas as comunicações entre a Terra e a sonda, pois a alta velocidade produziu muito atrito entre o veículo e o ar e as altas temperaturas danificaram os sistemas de comunicação.

O engenheiro chefe do Comando Aeroespacial de Pequim e do Controle Central da missão, Zhou Jianliang, explicou que a sonda foi desenhada para que "pudesse rebater" durante sua reentrada na atmosfera para "diminuir a magnitude do choque", como se "fosse uma pedra que lançamos rebatendo na água de um rio ou lago", que vai moderando sua velocidade.


"Na realidade, é como quando você freia um carro: quanto mais rápido você está, mais distância será preciso para frear completamente", disse Zhou.

Essa "rebatida" durante a reentrada na atmosfera era um dos desafios da missão, já que a sonda deveria entrar em um ângulo muito preciso para retornar com sucesso. Um erro de 0,2 graus poderia significar o fracasso.

"Esta bem-sucedida missão nos permitiu reunir muitos dados e adquirir uma base sólida para missões futuras", destacou, por sua vez, Wu Yanhua, vice-diretor da Administração Estatal de Ciência, Tecnologia e Indústria para a Defesa Nacional da China.

Os resultados obtidos servirão para o desenvolvimento da sonda Chang'e 5, prevista para 2017, e com a qual a China pretende pousar na Lua, recolher amostras e voltar à Terra.

As sondas Chang'e 1 e 2, lançadas respectivamente em 2007 e 2010, orbitaram em volta da Lua, enquanto a Chang'e 3 pousou na superfície lunar em dezembro do ano passado com o veículo científico Yutu.

A sonda Chang'e 4 foi desenvolvida como veículo reserva da Chang'e 3 e será readaptada para ser utilizada em experimentos que ajudarão no desenvolvimento da próxima sonda.

O desenvolvimento de tecnologias de retorno pode fazer com que China realize missões tripuladas à Lua no futuro. Os astronautas chineses, chamados de taikonautas, participaram de cinco missões ao espaço entre 2003 e 2013 a bordo das naves "Shenzhou".

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos