Cientistas descobrem galáxia mil vezes mais luminosa que a Via Láctea

Em Cartagena

  • Serge Brunier

    Imagem da Via Láctea

    Imagem da Via Láctea

Uma equipe de astrônomos da Espanha descobriu uma das galáxias mais brilhantes já conhecidas até hoje, mil vezes mais luminosa que a Via Láctea, e com uma taxa elevada de formação de estrelas, segundo um estado publicado esta semana pela revista especializada Astrophysical Journal Letters.

A galáxia foi descoberta por uma equipe dirigida pelo professor da Universidade Politécnica de Cartagena, no sudeste da Espanha, Anastasio Díaz-Sánchez, e é de tipo "muito distante" e "submilimétrica", ou seja, que provoca uma grande emissão no infravermelho distante, explicaram os pesquisadores em um comunicado.

Hubble/Universidade Politécnica de Cartagena
Uma das galáxias mais brilhantes já conhecidas até hoje foi relatada em estudo recente, publicado na revista "Astrophysical Journal Letters"
Para esta descoberta foi utilizado o Grande Telescópio das Ilhas Canárias (arquipélago espanhol no Oceano Atlântico) e combinações de bases de dados dos satélites WISE (NASA) e Planck (ESA) com o objetivo de identificar as galáxias submilimétricas.

A galáxia pôde ser observada graças a outro conjunto de galáxias próximas, que funciona como uma lente, ampliando o tamanho e o brilho da mesma em até 11 vezes, mas sem distorcer suas propriedades, detalhou Díaz-Sánchez.

Esta é uma das galáxias mais brilhantes entre as denominadas submilimétricas, milhares de vezes mais brilhantes que a Via Láctea.

Além disso, este aglomerado de corpos celestes tem uma "elevada taxa de formação estelar", já que gera estrelas cuja massa total é milhares de vezes maior que a massa do Sol.

Em termos de comparação, a Via Láctea forma a cada ano estrelas com uma massa total que é de duas vezes a do Sol, indicou a pesquisadora do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC) e coautora do estudo, Susana Iglesias-Groth.

Segundo a especialista, estas galáxias "abrigam as regiões de formação estelar mais potentes conhecidas no universo e o passo seguinte será estudar sua riqueza molecular".

Além disso, segundo assinalou Rafael Rebolo, diretor e pesquisador do IAC que também participou do projeto, o fato de que se trata de uma galáxia bastante luminosa, que está amplificada e com múltiplas imagens, permitirá estudar sua parte mais interior, "algo impossível de se fazer de outra maneira em galáxias tão remotas".

De acordo com os cientistas, em um futuro próximo serão realizados estudos mais detalhados sobre a galáxia usando interferômetros como o Extended Millimeter Array (Noema/IRAM), na França, e o Atacama Large Millimeter Array (ALMA), no Chile.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos