China não encontra estrangeiros para dirigir maior radiotelescópio do mundo

Xangai (China), 4 ago (EFE).- Apesar do salário superar os US$ 1,2 milhão por ano, a China tem problemas para encontrar um astrônomo estrangeiro para dirigir o maior rádiotelescópio do mundo, de acordo com informações publicadas nesta sexta-feira pelo jornal independente "South China Morning Post".

A Academia Chinesa de Ciências não encontra ninguém com a experiência e a qualificação necessárias para supervisionar a operação diária do FAST, inaugurado há um ano e com o qual a China quer potencializar sua presença e seu prestígio na ciência internacional.

Situado nas montanhas de Guizhou, no sudoeste da China, o FAST pode captar sinais previamente indetectáveis e proporcionar outras pistas a uma ampla gama de perguntas como a possível existência de vida alienígena inteligente.

"Para um astrônomo, dirigir o FAST poderia ser a oportunidade de toda uma vida", disse Wang Tinggui, professor de astrofísica da Universidade de Ciência e Tecnologia da China em Hefei (Anhui).

A Academia Chinesa de Ciências, que possui o radiotelescópio, buscou no exterior um chefe para o projeto porque nenhum astrônomo neste país tem a experiência de manejar uma instalação de tal magnitude e complexidade.

Um anúncio de contratação foi posto no site da academia em maio, bem como nos principais boletins de pesquisa internacionais, mas não houve resposta.

"Não podemos esperar (...), fizemos todo o possível para comunicar nossa oferta", disse um funcionário participante no processo.

De acordo com a descrição do trabalho, o diretor de operações científicas seria responsável por estabelecer e organizar vários comitês acadêmicos para decidir os objetivos científicos a longo prazo do telescópio e distribuir os seus horários de observação.

Também seria responsável por reportar as principais descobertas feitas pelo telescópio ao Governo a cada ano e supervisionar as despesas e o orçamento.

O candidato deve ter pelo menos 20 anos de experiência prévia e deve ter tido um papel de liderança em um projeto de radiotelescópio a grande escala.

Segundo aponta o jornal, alguns pesquisadores ocidentais têm muita experiência executando telescópios gigantes, mas esta poderia não funcionar na China "devido às barreiras do idioma e a diferença cultural".

Com um orçamento de 1,2 bilhão de iuanes (US$ 180 milhões), o FAST foi inaugurado em setembro do ano passado com uma grande expectativa e como parte dos planos da China de ser uma potência na pesquisa científica.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos