Topo

Centro europeu obtém medição direta mais precisa de antimatéria da história

Reprodução/Anti-Matter Wiki
Imagem: Reprodução/Anti-Matter Wiki

Em Genebra

2018-04-04T15:57:00

04/04/2018 15h57

Um experimento do Centro Europeu para Pesquisa Nuclear (CERN, na sigla em francês), que fica em Genebra, na Suíça, obteve a medição direta mais precisa de antimatéria na história da ciência, o resultado de três décadas de pesquisas e trabalhos.

A descoberta "inaugura uma era completamente nova nos testes de alta precisão entre matéria e antimatéria", afirmou a organização científica em comunicado.

A experiência permitiu "colocar em evidência" a estrutura espectral do átomo de anti-hidrogênio com uma cor que jamais tinha sido alcançada anteriormente.

Graças a isso, os cientistas conseguiram medir uma transição no anti-hidrogênio induzido pela luz com uma precisão sem precedentes.

Este descobrimento, que foi publicado nesta quarta-feira pela revista "Nature", permite superar o obstáculo que até agora era intransponível e que consistia em produzir e "aprisionar" um número suficiente de átomos de anti-hidrogênio e, ao mesmo tempo, contar com a tecnologia óptica necessária para possibilitar uma espectroscopia do anti-hidrogênio.

Superado esse problema, a comparação das medições do espectro do átomo de hidrogênio (um elétron que orbita um próton) com as do átomo de anti-hidrogênio (um pósitron que orbita um antipróton) se torna possível.

Assim, será colocada a toda prova a simetria fundamental chamada carga-paridade-tempo (CPT), o princípio segundo o qual os sistemas físicos são invariantes para transformações que envolvem, concomitantemente, as operações de inversão da carga, inversão de paridade e inversão do tempo.

Segundo o CERN, a descoberta da mínima diferença entre o átomo de hidrogênio e o do anti-hidrogênio "estremeceria as bases" do modelo padrão da física de partículas, em função do qual avança essa disciplina científica atualmente.

Ao mesmo tempo, a comparação poderia lançar luz sobre a razão pela qual o Universo está praticamente composto só de matéria, apesar de que, no momento da sua criação - segundo a teoria do Big Bang - foi gerada uma quantidade igual de matéria e antimatéria.

O porta-voz do experimento ALPHA, no qual foram obtidos esses resultados, Jeffrey Hangst, expressou a satisfação de todos os que participam dele por ter atingido "um nível de precisão que vinha sendo buscado por 30 anos".