O que há por trás das espessas nuvens de Júpiter? Cientistas mostram

Luis Lidón

Em Viena

Cientistas da missão Juno da agência espacial dos Estados Unidos (NASA, na sigla em inglês) mostraram nesta quarta-feira novas imagens e uma animação tridimensional de ciclones gigantes no polo norte de Júpiter, o maior e mais enigmático planeta do Sistema Solar.

Os cientistas também mostraram novos dados sobre o funcionamento do sistema gravitacional e do campo magnético de Júpiter em entrevista coletiva durante a Assembleia Geral da União Europeia de Geociências que acontece esta semana em Viena, na Áustria.

Os dados obtidos pela sonda Juno, que orbita desde 2016 em torno do planeta gasoso, oferecem informações sem precedentes sobre o que há por trás das espessas nuvens vermelhas, douradas e brancas do maior corpo celeste depois do Sol.

Os cientistas geraram imagens tridimensionais com os dados recolhidos por um dos instrumentos da sonda, que permitiu mapear em três dimensões o polo norte de Júpiter, um planeta 11 vezes maior que a Terra.

Leia também: 


A região é formada por um enorme ciclone rodeado por outros oito de grande porte, de 4 a 4,6 mil quilômetros de diâmetro, em meio a correntes atmosféricas e a dezenas de graus negativos.

Júpiter é um planeta gasoso, ao contrário dos rochosos como Terra e Marte, e sua composição é quase totalmente de hidrogênio e hélio.

O captou essas imagens entre 50 e 70 quilômetros abaixo da camada de nuvens que rodeiam o planeta. 

A sonda leva o nome da deusa romana Juno, esposa de Júpiter, e que tinha o poder de ver o que havia além das nuvens. 

"Antes de Juno, só podíamos imaginar como seriam os polos de Júpiter", explicou Alberto Adriani, um dos cientistas responsáveis pela missão.

"Com Juno voando sobre os polos a pouca distância, foi possível capturar imagens infravermelhas, como os padrões do clima polar de Júpiter e seus ciclones maciços, em uma resolução espacial sem precedentes", acrescentou Adriani.

O cientista italiano afirmou que, com os dados obtidos até agora, o polo norte de Júpiter era "muito estável" e os ciclones apenas se moviam, apesar das fortes correntes atmosféricas.

Os dados da sonda, que tem o tamanho de uma quadra de basquete e que pode suportar o ambiente hostil do planeta, permitiu descobrir mais sobre as estranhas propriedades gravitacionais de Júpiter e sua rotação.

Segundo os dados de Juno, na medida em que se vai mais fundo na superfície do planeta, o gás de Júpiter se torna um líquido metálico denso, que gira como se fosse um corpo sólido.

"Neste ponto, o hidrogênio se torna suficientemente condutivo para ser arrastado em uma rotação quase uniforme pelo poderoso campo magnético do planeta", explicou Tristan Guillot, outro cientista da missão.

Juno também ofereceu dados para realizar um modelo do campo magnético de Júpiter após suas primeiras oito órbitas em torno do planeta.

"Estamos descobrindo que o campo magnético de Júpiter não se parece com nada imaginado anteriormente", explicou Jack Connerney, outro responsável pela missão.

Os dados revelaram irregularidades inesperadas, regiões com um campo magnético mais intenso e diferenças entre os polos norte e sul.

Os cientistas agora tentam decifrar o porquê dessas diferenças no campo magnético de um planeta desse tipo.

A sonda Juno chegou em julho de 2016 à órbita de Júpiter após cinco anos de viagem e se tornou a nave movida a energia solar que cobriu a maior distância no espaço.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos