Adoçante engorda ou faz mal à saúde?

Suzana Esper
Especial para o UOL Ciência e Saúde

Uma pesquisa da Universidade de Purdue, em Indiana, nos Estados Unidos, concluiu que a sacarina, um tipo de adoçante, pode levar ao aumento de peso em ratos. O estudo foi divulgado por uma revista científica chamada "Behavioral Neuroscience" e reacendeu a velha polêmica em relação ao consumo de adoçantes.

No Brasil, Associação Brasileira das Indústrias de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres Diet e Light (Abiad) se pronunciou contra o estudo. "O adoçante é seguramente um dos produtos mais estudados e pesquisados na indústria e há muitos anos", diz Carlos Gouvêa, presidente da entidade. Ele reitera que o uso dos produtos no país está respaldado legalmente e é fiscalizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Gouvêa ressaltou que a legislação brasileira divide os adoçantes (ou edulcorantes) em artificiais e naturais e estabelece limites máximos para o consumo de cada um deles. A Organização Mundial da Saúde (OMS) determina o consumo para os tipos mais conhecidos no mercado. O valor diário de consumo permitido para cada substância deve ser multiplicado pelo peso do indivíduo. No caso da sacarina (citada na pesquisa), são consideradas limite 5 mg/kg, ou seja, uma pessoa com 55 quilos poderá ingerir, diariamente, 275 miligramas de sacarina.

LIMITES PERMITIDOS
Fonte: OMS
EdulcoranteLimite (mg/kg)
Acessulfame-K15
Aspartame40
Ciclamato11
Frutose não existe limite
Sacarina5
Estévia 5,5
Sucralose15
Xylitol, Manitol, Sorbitol15
Alitame 1
Glocosídeos de Esteviol 2
Neotame 2 (ainda não aprovado no Brasil)
Renata Pinotti, nutricionista da Abiad, afirma que o equilíbrio é a prerrogativa de uma alimentação saudável e de uma dieta alimentar balanceada. Renata esclarece, ainda, que "não há como o adoçante engordar, mas ele também não emagrece".

Renata explica que consumimos uma série de produtos no dia-a-dia que contém edulcorantes, como os alimentos diet e light. "O ideal é sempre variar. Toda substância química consumida em excesso poderá vir a fazer mal, assim como corante, o aromatizante", conclui. Ela recomenda o consumo de, no máximo, três produtos light ou diet por dia.

"A gente não pode tirar uma conclusão baseada na pesquisa, a não ser que você esteja preocupado com o peso de seu rato", diz o endocrinologista Marcio Mancini, da Universidade de São Paulo (USP), presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

O médico explica que o açúcar não é um alimento fundamental para o ser humano. A glicose é o combustível principal para as células, mas todos os outros alimentos que fazem parte da dieta alimentar, como os carboidratos complexos (por exemplo, o pão e a batata), são modificados e transformados em glicose. Ou seja, qualquer pessoa pode sobreviver sem comer açúcar refinado.

O presidente da Abeso diz que o existe muito mito em torno do consumo de adoçante. "O único adoçante que tem uma dose máxima fácil de ser atingida é o ciclamato, que vem sendo retirado sistematicamente do mercado", afirma. Já em relação ao aspartame e à sacarina, as doses permitidas são muito elevadas. "Seriam necessárias dezenas de latas de refrigerante por dia para ter problema", garante. Ele acrescenta que os adoçantes naturais, como a estévia, são seguros, mas há bem menos pesquisas com esse tipo de produto na literatura científica.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber as principais notícias do dia de graça pelo Facebook Messenger? Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos