Clique Ciência: a Estrela de Belém foi um cometa?

Tatiana Pronin

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução

    Pintura que integra o altar da igreja de St. Columba, em Munique, na Alemanha. A peça data de 1455 e entre os destaques do tríptico está o nascimento de Jesus

    Pintura que integra o altar da igreja de St. Columba, em Munique, na Alemanha. A peça data de 1455 e entre os destaques do tríptico está o nascimento de Jesus

Você já reparou que, em praticamente todos os presépios, pinturas famosas e autos de Natal, a Estrela de Belém é caracterizada como um cometa? Apesar desse conceito ter permanecido no imaginário popular, não se trata de uma verdade científica. Nenhum astrônomo ou qualquer outro pesquisador até hoje conseguiu determinar, com certeza, a que se referiam os textos sobre o nascimento de Jesus Cristo.

De um modo geral, eventos astronômicos são ótimos para situar acontecimentos históricos. Fenômenos como eclipses lunares e solares são cíclicos e sempre encantaram as pessoas. Por isso, referências em documentos históricos são utilizadas para precisar datas, uma vez que, obviamente, ninguém na Antiguidade utilizava os termos cronológicos adotados hoje -- a.C. e d.C.

O astrônomo Renato Las Casas, professor do departamento de física e coordenador do grupo de astronomia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), explica que o próprio Rei Herodes, relacionado ao nascimento de Jesus nos Evangelhos por Mateus e Lucas, teve sua morte determinada por um eclipse lunar.

A questão é que as análises dos eventos astronômicos ocorridos naquela época não coincidem com a data estabelecida para o nascimento de Cristo. Os próprios estudiosos da Bíblia admitem que pode ter havido imprecisões na determinação do Anno Domini, que acabou sendo adotado como padrão internacional. "Se procurarmos um objeto fixo [que pudesse ser a Estrela de Belém], não encontramos. Se pensarmos em objetos episódicos, as datas não batem", diz o professor.

Era o Halley?

A primeira explicação astronômica que se tentou dar para a Estrela de Belém foi a de que ela teria sido um cometa. Isso porque sua  cauda pode ser interpretada como uma seta que aponta para determinada direção. Não poderia haver nada mais simbólico para indicar aos três Reis Magos (Belchior, Baltazar e Gaspar) onde estavam Jesus, Maria e José.

Las Casas conta que, no século 16, astrônomos creditaram a Estrela de Belém ao cometa Halley, que, segundo a crença na época, teria "passado" perto da Terra no ano anterior ao nascimento de Jesus. No entanto, mais tarde descobriu-se que, na realidade, o Halley "passou" 12 anos antes -- ou seja, muito cedo para ser associado à data.

"Nenhum dos cometas conhecidos, segundo os dados hoje catalogados, passou por aqui, capaz de ser visto a olho nu, entre os anos 7 antes de nossa era e o ano 1 de nossa era; período admissível do nascimento de Cristo", explica Las Casas, que chegou a escrever um artigo sobre o tema.

Nova, supernova ou movimento de Júpiter

Se não foi um cometa, existe a chance de a Estrela de Belém ter sido uma nova ou uma supernova -- estrelas que, de repente, "explodem"e têm seu brilho aumentado até centenas de milhares de vezes. "Muitas vezes uma estrela que só pode ser observada com potentes telescópios, no espaço de algumas horas ou dias se torna um dos objetos mais brilhantes do céu, permanecendo assim por alguns dias ou semanas", descreve o professor.

Os chineses, que entendiam bastante de astronomia, registraram uma dessas na Constelação de Capricórnio cinco anos antes de nossa era. Não era muito brilhante, segundo os registros, e também não tinha assimetrias que pudessem transformá-la em um bom indicador para os Reis Magos. Assim, Las Casas afirma que essa possibilidade só pode ser levada em conta se considerarmos que Belchior, Baltazar e Gaspar eram astrólogos e faziam interpretações com base nos movimentos das estrelas.

Seguindo essa lógica, existe, ainda, a ideia de que a Estrela de Belém seria um fenômeno ligado ao planeta Júpiter, como uma conjunção ou um movimento retrógrado. O professor relata que, na época, Júpiter era considerado a "estrela real" e, portanto, ligada a reinados e coroações. Faz sentido imaginar que fosse associado ao nascimento de Cristo.

No ano 7 antes de nossa era houve uma tripla conjunção entre Júpiter e Saturno, mas os planetas não se aproximaram a ponto de ser confundidos com um único objeto, de acordo com Las Casas. No ano 3 antes de nossa era, Júpiter se aproximou de Régulus, a estrela mais brilhante da Constelação de Leão, associada ao "Leão de Judá". Por último, Las Casas observa que no ano 2 antes de nossa era Júpiter realizou um movimento retrógrado, invertendo a direção de seu movimento em relação às estrelas de fundo. Nenhuma dessas associações pode ser comprovada, pelo menos com os conhecimentos obtidos até hoje.

Para o professor, se eclipses e outros fenômenos astronômicos ajudaram a escrever a História, desvendar esse símbolo popular em presépios e pinturas teria grande utilidade, uma vez que muitos pesquisadores ainda têm dúvidas sobre a existência do Jesus histórico. "Se conseguirmos entender o que foi a Estrela de Belém, poderemos ter um indício forte de que ele realmente existiu", pontua. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos