Topo

Clique Ciência: por que os gatos ronronam?

Vasily Fedosenko/Reuters
Imagem: Vasily Fedosenko/Reuters

Tatiana Pronin

Do UOL, em São Paulo

2015-02-24T06:00:00

24/02/2015 06h00

Várias pesquisas já tentaram explicar o que está por trás do ronronar dos gatos e, embora os resultados sejam diversos, uma coisa é certa: esse ruído é uma forma de comunicação. E não apenas para manifestar prazer -- mas também fome, medo ou necessidade de aconchego.

"A teoria mais aceita é que o ruído é uma forma de os filhotes se comunicarem com a mãe ou com os irmãos de ninhada", conta o especialista em felinos Carlos Alberts, professor de zoologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) - campus de Assis (SP).

Para ele, o ronronar pode ser interpretado como uma forma de os gatos dizerem "Mamãe, eu preciso de você!", ou "Mamãe, eu adoro ficar com você...". De onde se conclui que é mais ou menos assim que os bichanos enxergam seus donos -- como a figura materna.

Um dos fatos que reforça a teoria, de acordo com Alberts, é que gatos selvagens não ronronam para humanos, e nem mesmo para indivíduos da mesma espécie que não sejam a progenitora ou os companheiros de útero.

De acordo com o professor da Unesp, a capacidade de se comunicar dessa forma seria algo próprio apenas de filhotes, mas que, com a domesticação, acabou sendo perpetuada pelo resto da vida. Afinal, gatos de todas as idades se comportam como crianças felinas, que não precisam sair para caçar.

Manipulação

Uma pesquisadora da Universidade de Sussex, no Reino Unido, era acordada todas as manhãs por seu gato de estimação com um ronronar insistente para pedir comida. Conversando com outros amigos que tinham o mesmo problema, Karen McComb decidiu investigar os motivos que levam esses bichos a emitir o ruído.

A resposta, publicada por McComb em um artigo no periódico "Current Biology", há alguns anos, não chegou a surpreender amantes de gatos. Segundo ela, um ronronar com frequência mais baixa é utilizado pelos bichos para manipular os humanos, a fim de que eles supram suas necessidades.

Como costumam obter resposta dos donos, a chance de usarem o recurso com diferentes objetivos aumenta. Por isso, pesquisas que seguem a mesma linha de McComb apontam semelhanças entre o som dos gatos e choro dos bebês.

Gatos e cia

Os gatos não são os únicos animais a ronronar. Segundo o professor da Unesp, essa é uma característica de todos os felinos "pequenos", pertencentes à subfamília Felinae, da qual também fazem parte a jaguatirica e outros maiores, como o puma, por exemplo.

Já felinos de grande porte, como leões e tigres, da subfamília Pantherinae, não ronronam. Por outro lado, conseguem rugir, embora os sons tenham objetivos bem distintos. "O rugido é uma forma de dizer 'Este território é meu'", diz Alberts. E esses animais capricham na mensagem: é o som de origem orgânica mais alto da natureza, de acordo com o especialista.

Baseados em exames, os cientistas hoje sabem que o ronronar é produzido por contrações rítmicas dos músculos da laringe e do diafragma, mas é diferente da vocalização. As vibrações podem ser feitas quando o animal inspira ou expira, e sentidas como um motorzinho por quem lhe toca o tórax.

Cada gato tem seu próprio padrão, com frequência que costuma variar entre 25 e 150 Hz. Para um veterinário que tenta auscultar o bichano, a tarefa fica praticamente impossível se ele estiver ronronando, o que não é incomum por se tratar de uma situação de estresse. E esse problema já foi alvo até de um trabalho científico, publicado em 2013 no "Journal of Small Animal Practice", que sugere uso de sprays à base de etanol antes do exame.

Alguns estudos divulgados pelo instituto de pesquisas Fauna Communications, uma entidade sem fins lucrativos, ainda indicam que as frequências do ronronar são úteis para curar fraturas e aliviar a dor dos pequenos felinos. Mas tudo isso ainda é só hipótese. Por enquanto, só o que os donos de gatos podem fazer é curtir o barulhinho e tentar adivinhar o que ele quer dizer.

Mais Ciência e Saúde