Topo

Clique Ciência: Sabe por que a lagartixa não cai da parede? Não é ventosa

Vitché Palacin/Folha Imagem
Calma, ela não vai cair na sua cabeça! Imagem: Vitché Palacin/Folha Imagem

Cintia Baio

Colaboração para o UOL

2015-10-27T09:00:19

27/10/2015 09h00

As lagartixas existem há milhões de anos na Terra, mas foi só em 1960 que os cientistas finalmente descobriram como esses pequenos répteis parentes dos lagartos conseguem desafiar a gravidade e andar pelas paredes e teto sem cair.

Antes, acreditava-se que essa habilidade estava relacionada à existência de pequenas ventosas nas patas da lagartixa que as "colavam" na parede. No entanto, a hipótese foi descartada porque o réptil também andava em superfícies onde as ventosas não teriam aderência, como em locais molhados ou muito lisos ou no vácuo.

Arte/UOL
Tem uma curiosidade científica? Mande sua pergunta para o UOL com a #CliqueCiência Imagem: Arte/UOL

Em 1960, um cientista alemão chamado Uwe Hiller sugeriu que essa habilidade estava relacionada a um tipo de força de atração e repulsão entre as moléculas da pata da lagartixa e as da parede. Essa força é conhecida na Física como força intermolecular de Van der Waals.

Na prática, funciona assim: as patas das lagartixas têm milhões de pequenos pelos, chamados de setae --uma espécie de cerda queratinosa minúscula com terminação pontiaguda microscópica. Quando a lagartixa dá um passo, há um deslocamento de elétrons entre os átomos da pata da lagartixa e os átomos da superfície parede, gerando uma força de atração intermolecular que a mantém grudada na vertical.

Esta força de adesão da lagartixa é a seco. Se fosse uma adesão úmida, com substâncias mucosas ou oleosas criando uma "cola" e agindo pela pressão negativa (o vácuo), ela não conseguiria andar em superfícies molhadas e muito lisas.

Recentemente, também descobriram que, além dos dedos grandes com muitas cerdas, as lagartixas também “endurecem” o corpo de forma geral ao andar, o que aumenta as forças de Van der Waals.

Mas não pense que todo mundo acreditou na explicação dada por Hiller lá em 1960. Foi só quarenta anos depois que uma equipe de cientistas conseguiu provar que o fato de as lagartixas conseguirem andar pelas paredes sem cair estava mesmo relacionado às forças intermoleculares.

Curiosidade

Outro fato interessante sobre as lagartixas é que, diante do perigo, elas perdem parte da cauda em um processo chamado de autotomia. Enquanto o rabo continua movimentando-se involuntariamente, chamando a atenção do predador, a lagartixa consegue fugir. A espécie tem pontos pré-determinados de quebra da cauda, sempre começando por partes mais distantes do corpo.

A cauda tem capacidade de se regenerar em até três semanas. A única diferença é que ela não terá mais vértebras em seu interior, mas cartilagem (como a das nossas orelhas).

Fontes: Marcelo Fernandes, paleontólogo da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), e Renato Gregorin, professor do departamento de Biologia da UFLA (Universidade Federal de Lavras).

Mais Ciência e Saúde